sicnot

Perfil

Mundo

Cientistas identificam "potente" composto contra a malária

Uma equipa internacional de cientistas identificou um novo e "potente" composto contra a malária, com um inédito mecanismo de ação. 

Sang Tan

O composto foi testado com sucesso em ratinhos e pode levar à criação de um medicamento contra a malária de dose única e a um custo inferior a um euro.

O último número da revista Nature, publica o estudo do novo composto, denominado pelos investigadores 'DDD107498', e que é capaz de atuar em distintas fases da vida do parasita da malária, "Plasmodium falciparum".

A investigação está a ser liderada por Ian Gilbert, da Universidade de Dundee (Reino Unido), com a participação de investigadores espanhóis, norte-americanos, australianos, suíços e holandeses.

O parasita da malária desenvolveu múltiplas resistências aos medicamentos e também começou a ser resistente ao atual medicamento recomendado pela Organização Mundial de Saúde, segundo os autores do estudo.

A novidade do composto é que é "muito potente e a sua principal característica é ser capaz de atuar nas distintas fases da vida do parasita, incluindo na transmissão da doença", disse Francisco Javier Gamo, diretor da Unidade de Malária de GlaxoSmithKline.

O novo composto atua na fase hepática e na fase de reprodução do parasita.

Quando o mosquito portador do parasita pica uma pessoa, partes do parasita dirigem-se para o fígado, órgão onde começa a infeção.

Do fígado, o parasita multiplica-se e é capaz de proliferar de modo a que cada pessoa produza 10 mil novos parasitas.

"Se aquela divisão não é controlada pode levar ao colapso dos vasos sanguíneos e as pessoas podem morrer", detalhou o investigador.

O novo composto, acrescentou, evita também a transmissão do parasita a outro mosquito, que depois poderá picar outro ser humano.

O próximo passo da investigação, já a decorrer, é desenvolver um pré-clínico, uma fase em que vai experimentar a toxicidade do composto em humanos e a sua segurança.

Os autores do estudo consideram também que o futuro medicamento custará menos de um euro por tratamento, o que é importante porque a maioria das pessoas com malaria vivem na pobreza.

Lusa
  • Equipa da SIC impedida de entrar na Venezuela

    País

    A SIC tinha uma equipa a caminho da Venezuela para cobrir as eleições da Assembleia Constituinte que decorrem no domingo. No entanto o jornalista Luís Garriapa e o repórter de imagem Odacir Junior foram impedidos de entrar no país. A equipa de reportagem foi barrada à chegada ao aeroporto de Caracas. Num despacho enviado à companhia aérea que os transportou, tanto o jornalista como o repórter de imagem são considerados "inadmissíveis no território da Venezuela".

  • "Fomos considerados inadmissíveis no território da Venezuela"
    4:43

    País

    O jornalista Luís Garriapa entrou em direto no Jornal da Noite, para explicar o que aconteceu esta quinta-feira, no aeroporto de Caracas. A equipa de reportagem de SIC foi impedida de entrar na Venezuela, onde ia cobrir as eleições da Assembleia Constituinte, marcadas para domingo.

  • Marcelo lembra como foi tratada a tragédia durante a ditadura
    2:25
  • Costa alerta para "condições particularmente adversas"
    1:47

    País

    O primeiro-ministro alertou para a possibilidade de novos incêndios de grandes dimensões, muito por causa da situação de seca que grande parte do território atravessa. António Costa pediu aos portugueses um "particular cuidado com todos os comportamentos de risco".

  • Ministra admite falhas no SIRESP no presente e no passado
    2:35

    País

    A ministra da Administração Interna admitiu, esta quinta-feira, que o SIRESP falha no presente tal como já falhou no passado, quando a tutela pertencia ao Governo PSD. Os sociais-democratas quiserem ouvir Constança Urbano de Sousa na comissão parlamentar mas desta vez a ministra defendeu-se com um ataque. 

  • Uma viagem aérea pela aldeia histórica de Monsanto
    0:50
  • Quase três mil toneladas de plástico ameçam tartarugas no Mediterrâneo
    2:35

    Mundo

    O Mar Mediterrâneo está sob a ameaça de se tornar uma lixeira com três mil toneladas de plástico a flutuarem entre a Europa e África. Há milhões de turistas a nadarem nestas águas e há espécies marinhas que já estão em perigo. No Chipre, os cientistas estão a tentar proteger tartarugas, cuja alimentação já é quase totalmente de plástico.