sicnot

Perfil

Mundo

Deputados europeus apoiam proibição de animais e produtos clonados

As comissões de Agricultura e Ambiente do Parlamento Europeu (PE) aprovaram hoje um documento a exigir a proibição de produtos e animais clonados, e seus descendentes, na União Europeia (EU). 

Lee Jin-man

No relatório, aprovado por 82 deputados (oito votos contra e oito abstenções), os deputados defendem o projeto da Comissão Europeia de proibir a clonagem de animais para fins agrícolas na UE e a venda destes animais. 

Os deputados querem também proibir a venda e a importação de produtos obtidos a partir de animais clonados, nomeadamente esperma e embriões, bem como descendentes destes animais e produtos, em defesa do bem-estar animal, de preocupações éticas e das reservas dos consumidores europeus. 

O PE exige condições de rastreabilidade dos parceiros comerciais da UE para impedir que esta moratória seja contornada. 

O documento terá de ser aprovado em plenário, em princípio em setembro, antes da abertura de negociações entre deputados, governos e Comissão para terminar as regras europeias sobre esta matéria. 

A carne dos clones não se come, mas embriões e sementes são comercializados e exportados e os descendentes são criados, especialmente nos Estados Unidos, Argentina, Brasil e Uruguai, sem qualquer sistema de rastreabilidade. 

No projeto legislativo, apresentado em 2013 para regulamentar esta prática, o executivo europeu renunciou à proibição da venda de carne ou leite dos descendentes de animais clonados por causa dos parceiros comerciais. 

A Comissão excluiu também legislação sobre a etiquetagem destes produtos, argumentando que aumentava os custos para os produtores, apesar de antecipar a oposição do PE a estas propostas. 

Lusa
  • Oceanário de Lisboa dá formação sobre impacto da acumulação de plásticos nos oceanos
    2:37
  • Trump e Netanyahu discutiram "ameaças que o Irão coloca"

    Mundo

    O novo Presidente norte-americano, Donald Trump, e o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, debateram "as ameaças que o Irão coloca" e concordaram que a paz israelo-palestiniana só pode ser "negociada diretamente", anunciou este domingo a Casa Branca.