sicnot

Perfil

Mundo

Estudo revela que Europa alcançou nível histórico de paz e Islândia é o melhor país

A Europa alcançou níveis históricos de paz e a região Médio Oriente e Norte de África é a mais violenta do mundo, segundo o Índice Global de Paz 2015 divulgado hoje e onde Portugal surge no 11.º lugar.

© Bruno Domingos / Reuters

De acordo com o Índice Global de Paz (IGP), elaborado pelo Instituto para Economia e Paz sediado em Sydney, a Islândia é o país mais pacífico do mundo, ocupando a Síria o último lugar da lista de 162 estados, que possuem 99,6% da população mundial.

"Quatro das nove regiões geográficas experimentaram (o ano passado) uma melhoria" em termos de paz e as restantes "cinco regiões tornaram-se menos pacíficas", com as "mudanças mais substanciais" a registarem-se na região do Médio Oriente e Norte de África, refere o relatório. 

Os indicadores utilizados para elaborar a lista dos países incluem segurança pública, violência policial, taxa de homicídios, justiça social, terrorismo, participação em conflitos, grau de militarização e gastos com armas. 

Os dez países mais pacíficos do mundo são, depois da Islândia, a Dinamarca, Áustria, Nova Zelândia, Suíça, Finlândia, Canadá, Japão, Austrália e República Checa.

Portugal aparece imediatamente a seguir ocupando a 11.ª posição, seguido da Irlanda, enquanto a Alemanha surge em 16.º lugar e a Espanha em 21.º.

Os últimos da lista são a Coreia do Sul (153), Paquistão, República Democrática do Congo, Sudão, Somália, República Centro Africana, Sudão do Sul, Afeganistão e Iraque (161), logo atrás da Síria.

O IGP indica ainda que a Líbia foi o país que mais desceu na classificação, caiu 13 lugares para a posição 149, enquanto a Guiné-Bissau foi o que mais subiu, 24 lugares, aparecendo agora na 120.ª posição.

Segundo o estudo, o ano passado aumentou significativamente a intensidade dos conflitos armados, tendo-se registado mais de 180.000 mortos face a 49.000 em 2010. Houve ainda mais 9% de mortes (cerca de 20.000) devido ao terrorismo.

A atividade terrorista tem-se propagado desde o Médio Oriente e Norte de África para a África subsaariana, com maior aumento na Nigéria, Camarões e Níger, área de atuação do grupo radical islâmico Boko Haram.

O relatório assinala ainda que quase um por cento da população mundial, cerca de 50 milhões de pessoas, está refugiada ou integra o grupo de deslocados internos, o nível mais alto desde 1945, no final da Segunda Guerra Mundial.

O impacto da violência na economia global foi de 14,3 biliões de dólares (12,6 biliões de euros), o equivalente a 13,4 % do produto interno bruto (PIB) mundial o ano passado, o mesmo das economias combinadas do Brasil, Canadá, França, Alemanha, Espanha e Reino Unido, indica o estudo.

Aquele valor inclui gastos militares de três biliões de dólares (2,6 biliões de euros) e com a segurança interna de 1,3 biliões de dólares (1,1 biliões de euros), perdas por crime e violência interpessoal de dois biliões de dólares (1,7 biliões de euros) e perdas devido a conflitos de 817 mil milhões de dólares (724 mil milhões de euros).

Lusa
  • "Nobel é um incentivo para toda uma nação"
    1:19

    Mundo

    O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos recebeu ao início da tarde na Noruega o prémio pelo trabalho que desenvolveu junto das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia, FARC. As cerimónias são este sábado e marcadas pela ausência do Nobel da Literatura, Bob Dylan.

  • Os negócios menos claros do filho de Pinto da Costa
    1:55

    Football Leaks

    Com o escândalo dos agentes de futebol a dar que falar, o Expresso revela este sábado os negócios menos claros do filho de Pinto da Costa. O nome da empresa de que é administrador, a Energy Soccer, surge na investigação em transferências de jogadores que envolvem o Futebol Clube do Porto num conflito de interesses.