sicnot

Perfil

Mundo

Detido presumível autor de tiroteio em Charleston

O presumível autor do homicídio de nove pessoas, hoje abatidas a tiro numa igreja da comunidade negra de Charleston, nos Estados Unidos, foi detido, noticiou a imprensa. O jovem branco de 21 anos, identificado como Dylann Roof, foi intercetado em Shelby, no estado da Carolina do Norte, em circunstâncias ainda desconhecidas, segundo a estação televisiva local WLTX19 e a CNN. 

Imagens do suspeito, recolhidas por uma câmara de vigilância.

Imagens do suspeito, recolhidas por uma câmara de vigilância.

© Handout . / Reuters

A polícia de Charleston divulgou imagens do jovem, recolhidas por uma câmara de vigilância e mostram um rapaz com cerca de 1,75 metros de altura, cabelo louro escuro ou castanho com um corte à tigela e vestido com uma camisola cinzenta.

Na página de Facebook de Roof, este aparece numa fotografia vestido com um casaco negro com emblemas da bandeira sul-africana do tempo do regime segregacionista do Apartheid, e da bandeira da Rodésia, um país sob o domínio de brancos até 1979, que é hoje o Zimbabué.

O atirador fugiu do local do tiroteio, ocorrido na quarta-feira à noite, num veículo de cor preta.

O jovem vive na região de Columbia, a capital do Estado da Carolina do sul, no sudeste dos Estados Unidos, indicou o FBI, segundo o jornal local Post and Courier.

Columbia está a uma distância de cerca de duas horas de Charleston. 

A justiça federal norte-americana abriu "em paralelo e em cooperação" com as autoridades locais um inquérito por "crime de ódio" com motivações racistas, segundo precisou o Departamento de Justiça norte-americano.

A designação de crime de ódio permite ativar meios federais adicionais.

O suspeito, "muito perigoso", "ficou durante quase uma hora com o grupo" que estudava a Bíblia dentro da igreja antes de disparar, disse o chefe da polícia de Charleston, Gregory Mullen, durante uma conferência de imprensa.

Na mesma ocasião, a polícia local pediu reforços da polícia federal norte-americana e da capital federal Washington. 

"Vamos virar cada pedra" para encontrar o suspeito, prometeu Gregory Mullen.

No tiroteio morreram nove pessoas: três homens e seis mulheres. Entre as vítimas mortais figura o pastor Clementa Pinckney, uma figura importante da comunidade negra local e representante democrata no Senado do Estado.

Lusa
  • A história de João Ricardo
    10:37
  • Parceiros sociais começam hoje debate sobre salário mínimo

    Economia

    Os parceiros sociais reúnem-se hoje com o ministro do Trabalho, Vieira da Silva, para iniciarem a discussão sobre a atualização do salário mínimo para o próximo ano, com as centrais sindicais e confederações patronais a assumirem posições divergentes.Em cima da mesa estarão as propostas das centrais sindicais, com a CGTP a exigir 600 euros a partir de janeiro de 2018 e a UGT a reivindicar 585 euros como ponto de partida para a negociação.

  • Os 72 golos de mais uma noite de Liga Europa

    Liga Europa

    Os 16 avos-de-final da Liga Europa começam a ganhar forma. São já 16 as equipas apuradas para a próxima fase da competição, entre elas o Sporting de Braga, que somou mais uma vitória. Em sentido inverso, o Vitória de Guimarães saiu derrotado de Salzburgo e ficou mais longe da qualificação. A 5.ª jornada da fase de grupos jogou-se esta quinta-feira e ao todo marcaram-se 72 golos. Estão todos aqui, para ver ou rever.

  • "No fim, logo se vê" se foram quatro anos de uma legislatura perdida
    1:28

    País

    Pedro Passos Coelho acusa o Governo de perder uma legislatura. O presidente do PSD diz que "no fim, logo se vê" se foram ou não quatro anos de oportunidade perdida para o país. No último Conselho Nacional antes das eleições diretas do partido, Passos acusou o Executivo de perder o rumo e apontou os casos do Infarmed e do aumento do preço da água como exemplos de desorientação.

  • Marcelo apoia novo Mecanismo Europeu de Proteção Civil
    0:44

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa considera o novo Mecanismo de Proteção Civil uma ideia muito boa, que tem todo o apoio do Governo e do Presidente da República. Marcelo apenas lamenta que o modelo não existisse durante os incêndios deste ano.