sicnot

Perfil

Mundo

Obama condena "assassínios sem sentido" em Charleston

O Presidente norte-americano condenou esta quinta-feira os "assassínios sem sentido" num tiroteio que fez nove mortos numa igreja da comunidade negra de Charleston, apelando novamente para um melhor enquadramento legal da venda de armas de fogo. 

"Não dispomos de todos os elementos mas sabemos que, mais uma vez, inocentes foram mortos porque alguém que queria fazê-lo não teve qualquer dificuldade em arranjar uma arma", declarou Obama.

"Não dispomos de todos os elementos mas sabemos que, mais uma vez, inocentes foram mortos porque alguém que queria fazê-lo não teve qualquer dificuldade em arranjar uma arma", declarou Obama.

Susan Walsh / AP

Dizendo que sentiu "tristeza e ira", Barack Obama sublinhou ser "particularmente doloroso" assistir a um tiroteio "num local em que se procura reconforto e paz, um lugar de oração".

O presumível autor do ataque perpetrado na quarta-feira à noite, Dylann Roof, um jovem branco de 21 anos, foi hoje detido.

"Não dispomos de todos os elementos mas sabemos que, mais uma vez, inocentes foram mortos porque alguém que queria fazê-lo não teve qualquer dificuldade em arranjar uma arma", declarou Obama, ao lado do vice-presidente, Joe Biden.

"Devemos admitir que este tipo de violência não acontece noutros países desenvolvidos, isto não acontece com a mesma frequência", prosseguiu.

"E nós podemos fazer alguma coisa", disse ainda, acrescentando: "A dada altura, o povo norte-americano vai ter de enfrentar esta realidade (...), devemos ser capazes de fazer evoluir a nossa forma de pensar sobre a violência com armas de fogo".

Já em dezembro de 2012, após o massacre de 20 estudantes no Connecticut, Obama salientara a necessidade de legislar sobre esta matéria. Mas, apesar da emoção provocada pela tragédia, esbarrou novamente com a frontal oposição do Congresso.

"O facto de isto ter acontecido numa igreja negra levanta evidentemente questões sobre uma página sombria da nossa história", afirmou ainda o Presidente dos Estados Unidos.

"Não é a primeira vez que igrejas negras são atacadas e sabemos que o ódio entre religiões e entre raças representa uma verdadeira ameaça para a nossa democracia e os nossos ideais", acrescentou Obama, que voou em seguida para a Califórnia, onde participará na recolha de fundos para o Partido Democrata.
Lusa
  • Detido presumível autor de tiroteio em Charleston

    Mundo

    O presumível autor do homicídio de nove pessoas, hoje abatidas a tiro numa igreja da comunidade negra de Charleston, nos Estados Unidos, foi detido, noticiou a imprensa. O jovem branco de 21 anos, identificado como Dylann Roof, foi intercetado em Shelby, no estado da Carolina do Norte, em circunstâncias ainda desconhecidas, segundo a estação televisiva local WLTX19 e a CNN. 

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.