sicnot

Perfil

Mundo

Coreia do Sul acredita que surto de MERS está a perder força

As autoridades de saúde da Coreia do Sul consideraram hoje que a Síndrome Respiratória do Médio Oriente (MERS na sigla inglesa), que já matou 24 pessoas no país, estará a começar a perder força.

© Kim Hong-Ji / Reuters

A tese das autoridades sul-coreanas surge quando foi reportado mais um caso de contágio, a taxa mais baixa de infeção em duas semanas.

Com este novo caso as autoridades de saúde da Coreia do Sul confirmaram 166 contágios desde que a doença foi identificada pela primeira vez a 20 de maio.

Desde quinta-feira, o número de pessoas em quarentena caiu 12% para 5.930, um dia depois de a Tailândia confirmar o primeiro caso da doença, tornando-se assim o segundo país asiático a fazê-lo.

Apesar das fortes críticas ao governo da Presidente Park Geun-Hye, e do pedido de desculpas do recém-nomeado primeiro-ministro Hwang Kyo-ahn por alegada "resposta inadequada" ao problema no início, a líder da Organização Mundial de Saúde, Margaret Chan, de Hong Kong, manifestou o seu otimismo na capacidade sul-coreana em conter o vírus.

Margaret Chan salientou mesmo que Seul está agora "em muito bom ritmo" depois de uma resposta inicial algo lenta.

Uma pequena vila colocada sob quarenta "abriu" hoje, após duas semanas de isolamento, autorizando os seus 102 habitantes a retomar a normal atividade diária.

"Aparentemente o surto começou a perder força", disse uma fonte do Ministério da Saúde aos jornalistas numa reunião diária em Seul ao salientar, no entanto, a necessidade de aguardar e ter atenção a novos casos que surjam, nomeadamente em unidades de saúde expostas ao vírus.

Atualmente há 112 pessoas internadas e 30 tiveram, entretanto, alta.

  • Viver em Évora
    5:11
  • Projeto piloto no Porto com o objetivo de detetar Ambliopia em crianças
    1:16

    País

    São resultados que dizem respeito apenas ao Grande Porto, mas que podem dar uma ajuda para traçar o panorama nacional: 13% das crianças que participaram num rastreio à saúde visual tiveram de ser encaminhadas para consultadas da especialidade. O projeto piloto foi implementado em quatro concelhos do norte do país, mas pode ser alargado.