sicnot

Perfil

Mundo

Cuba abre primeiros espaços ''wi-fi'' ao público

O Governo cubano anunciou hoje a abertura, a partir de julho, de 35 espaços 'wi-fi' ao público, uma estreia nesta ilha onde o acesso à internet ainda é estritamente controlado. 

© Enrique de la Osa / Reuters

Estes espaços vão ser abertos nas principais cidades do país, incluindo cinco em Havana, e constituem "uma primeira etapa num melhor acesso à internet" em Cuba, anunciou o diretor de comunicação do monopólio estatal para as telecomunicações "Etecsa", Luis Manuel Diaz, ao diário oficial Juventude Rebelde. 

As tarifas para a internet pública vão baixar para dois dólares (1,76 euro) por hora, acrescentou. Mas este preço, que continua a ser proibitivo para a maioria dos cubanos, não corresponde ainda ao "preço desejado", precisou.  

Diaz não adiantou se as mesmas tarifas vão ser aplicadas nas zonas 'wi-fi'. 

Estas medidas são aplicadas no âmbito de uma estratégia do Governo cubano, anunciada em abril, e que visa permitir o acesso de "todos os cubanos" à internet no prazo de cinco anos, seguindo o plano 2020 da União Internacional das Telecomunicações (UIT). 

Para os países em desenvolvimento, a UIT recomenda que 50% da população tenha acesso à internet por um montante inferior a 5% do rendimento mensal. 

Desde 2013, os cubanos têm acesso a 155 salas públicas de acesso à internet, onde a "Etecsa" mantém desde fevereiro preços promocionais de 2,50 dólares/hora, uma descida relativamente ao preço habitual de 4,50 dólares/hora. 

O salário médio dos cubanos ronda os 20 dólares (cerca de 18 euros) por mês. 

Antes, os únicos acessos públicos à internet eram oferecidos por hotéis a preços ainda mais elevados (dez dólares por hora em média). 

O serviço de acesso à internet em casa continua a ser reservado a algumas profissões como jornalistas, médicos e universitários. 

De acordo com a UIT, apenas 3,4% das casas cubanas tinham acesso à internet em 2013. 



Lusa

  • Costa desvaloriza ameaça e mantém planos de visita a Angola
    2:27

    Economia

    O governo angolano reagiu duramente à acusação do Ministério público portugues contra o vice-presidente de Angola. Luanda diz que a acusação é um sério ataque à República de Angola que pode perturbar as relações entre os dois paises. António Costa desvaloriza a ameaça e mantém os planos de uma visita a Angola na primavera.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.