sicnot

Perfil

Mundo

Presidentes da Odebrecht e Andrade Gutierrez presos por suspeita de corrupção na Petrobras

Os presidentes das construtoras brasileiras Odebrecht e Andrade Gutierrez foram detidos esta sexta-feira por suspeita de envolvimento com a corrupção na Petrobras, na 14.ª fase da Operação Lava Jato, da Polícia Federal e do Ministério Público.

O procurador do Ministério Público Federal afirmou à imprensa que as empresas comandavam um cartel para a decisão de contratos na petrolífera. (Arquivo)

O procurador do Ministério Público Federal afirmou à imprensa que as empresas comandavam um cartel para a decisão de contratos na petrolífera. (Arquivo)

Silvia Izquierdo / AP

O procurador do Ministério Público Federal, Carlos Fernando dos Santos Lima, afirmou à imprensa que as empresas comandavam um cartel para a decisão de contratos na petrolífera, e que havia o pagamento de propinas com o envio das remessas ilegais para contas bancárias fora do Brasil. 

A 14.ª fase da Operação Lava Jato foi realizada com ações em São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Rio Grande do Sul, com a expedição de 12 mandados de prisão temporária e preventiva, entre eles o dos presidentes Marcelo Odebrecht, da empresa com o mesmo nome, e Otávio Marques de Azevedo, da Andrade Gutierrez, além de outros executivos das empreiteiras. 

A Odebrecht é a maior construtora brasileira e lidera projetos de infraestruturas não só no país, mas também em Portugal, Angola, Moçambique e na Guiné Equatorial. A Andrade Gutierrez é a terceira maior construtora do Brasil e também tem negócios na África lusófona. 

As empresas já haviam sido citadas como participantes no esquema por executivos da Petrobras que fizeram acordo com as autoridades, em que cedem informações em troca de uma possível redução da sua pena na Justiça. 

A Odebrecht, citada pela Folha de São Paulo, confirmou que foram realizados mandados de prisão e condução coerciva e de busca e apreensão nas suas sedes. 

"A CNO [Construtora Norberto Odebrecht] entende que estes mandados são desnecessários, uma vez que a empresa e os seus executivos, desde o início da operação Lava Jato, sempre estiveram à disposição das autoridades", referiu a empresa. 

A Andrade Gutierrez, também disse, citada pelo mesmo jornal, que está a colaborar com as investigações, e reiterou que "não tem ou teve qualquer relação com os factos investigados pela Operação Lava Jato, e que espera poder esclarecer todas as questões da Justiça o quanto antes".
Lusa
  • Ronaldo terá colocado milhões de euros nas Ilhas Virgens britânicas
    4:15

    Desporto

    José Mourinho e Cristiano Ronaldo são apenas dois dos nomes da maior fuga de informação na história do desporto. A plataforma informática Football Leaks forneceu milhões de documentos à revista alemã Der Spiegel, entre os quais documentos que indicam que o capitão da seleção nacional terá colocado milhões de euros da publicidade nas Ilhas Virgens britânicas. Os dados foram analisados por um consórcio de 60 jornalistas, do qual o Expresso faz parte, numa investigação que pode ler este sábado no semanário.

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.