sicnot

Perfil

Mundo

Primeira ronda de consultas de paz sobre o Iémen chegam ao fim sem perspetivas de fim do conflito

As consultas de paz sobre o conflito no Iémen que decorreram em Genebra, terminaram sem alcançar o fim das hostilidades, anunciou hoje o enviado especial das Nações Unidas para esse país, o mauritano Ismail Ould Sheikh Ahmed.

Hani Mohammed

"Creio que há acordo entre as duas partes quanto à importãncia de se obter uma trégua. Contudo, são necessárias mais consultas", disse o mediador, que falava em conferência de imprensa.

Desde a passada terça-feira que Genebra acolhe a primeira ronda de consultas de paz entre o Governo iemenita no exílio e os rebeldes xiitas 'huthis', que na sequência de uma ofensiva em setembro de 2014, controlam atualmente grande parte do país, incluindo a capital, Sanaa.

Ismail Ould Sheikh Ahmed disse ainda que vai viajar de imediato para Nova Iorque, para expor a situação ao secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, e ao Conselho de Segurança, embora continue a manter à distância o diálogo com as partes em conflito para se chegar a uma trégua.

Os combates no Iémen, onde uma coligação liderada pela Arábia Saudita realiza desde 26 de março ataques contra posições rebeldes, causaram já 2.600 mortos, desde o fim de março, de acordo com dados da ONU.

Os ataques aéreos não travaram a progressão dos rebeldes que, além de Sanaa, controlam uma grande parte de Aden, segunda cidade do país, e grandes zonas de outras províncias.

A situação humanitária é catastrófica neste país da península arábica.

Lusa
  • Trabalharia horas extra sem ser pago? E feriados?  
    1:25
  • UE dá "luz verde" para início das negociações do Brexit

    Brexit

    Os 27 Estados-membros da União Europeia aprovaram esta segunda-feira a autorização para o início das negociações do Brexit, indicando formalmente o final de junho para início do processo de saída do Reino Unido, que se prolongará por dois anos.

  • Donald Trump em Israel
    2:14
  • Regras secretas do Facebook permitem divulgação de imagens violentas

    Mundo

    A política interna da empresa Facebook defende que nem todos os vídeos violentos publicados na rede social devem ser apagados porque "não quer censurar ou punir pessoas em perigo". A revelação é feita pelo jornal britânico The Guardian após uma investigação em que conseguiu ter acesso ao manual interno.