sicnot

Perfil

Mundo

23 mil foram a Stonehenge ver nascer do sol no solstício de verão

Cerca de 23 mil pessoas juntaram-se hoje junto ao monumento megalítico de Stonehenge, em Inglaterra, para assinalar o solstício de verão, segundo a polícia do condado de Wiltshire, no sudoeste do país, adiantou a agência espanhola EFE.

© Kieran Doherty / Reuters


As forças de segurança estimam que cerca de 23 mil pessoas acorreram ao local para contemplar o nascer do sol no dia mais longo do ano, que aconteceu pelas 04:52 locais (mesma hora em Lisboa).

Ainda assim, a assistência a este acontecimento, referiu a polícia, foi consideravelmente menor do que a registada no ano passado.

As autoridades tinham previsto uma afluência a Stonehenge na ordem das 30 mil pessoas, mas a previsão de céu nublado pode ter levado muitas pessoas a ficar em casa.

De acordo com o chefe da polícia de Wiltshire, Gavin Williams, o evento foi "um grande êxito" e as celebrações do solstício de verão, que decorreram ao som de tambores, foram "pacíficas e positivas".

Este ano foram detidas menos pessoas do que no ano anterior, e só nove foram detidas por posse de drogas.

Stonehenge, também chamado "O Templo do Sol", tem cerca de cinco mil anos de existência. Onde há cinco milénios se celebraram várias cerimónias religiosas, assinalam-se agora os solstícios de verão e de inverno.

Há várias décadas que é tradição em Inglaterra acorrer a Stonehenge para celebrar a chegada do verão, uma vez que se permite o acesso ao anel formado pelas pedras do conjunto arqueológico.

Declarado património da Humanidade pela UNESCO em 1986, Stonehenge é um monumento em semicírculo, e os arqueólogos nunca conseguiram confirmar se alguma fez formou um círculo perfeito.

Cerca de um milhão de turistas visitam anualmente este local no Reino Unido.

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.