sicnot

Perfil

Mundo

23 mil foram a Stonehenge ver nascer do sol no solstício de verão

Cerca de 23 mil pessoas juntaram-se hoje junto ao monumento megalítico de Stonehenge, em Inglaterra, para assinalar o solstício de verão, segundo a polícia do condado de Wiltshire, no sudoeste do país, adiantou a agência espanhola EFE.

© Kieran Doherty / Reuters


As forças de segurança estimam que cerca de 23 mil pessoas acorreram ao local para contemplar o nascer do sol no dia mais longo do ano, que aconteceu pelas 04:52 locais (mesma hora em Lisboa).

Ainda assim, a assistência a este acontecimento, referiu a polícia, foi consideravelmente menor do que a registada no ano passado.

As autoridades tinham previsto uma afluência a Stonehenge na ordem das 30 mil pessoas, mas a previsão de céu nublado pode ter levado muitas pessoas a ficar em casa.

De acordo com o chefe da polícia de Wiltshire, Gavin Williams, o evento foi "um grande êxito" e as celebrações do solstício de verão, que decorreram ao som de tambores, foram "pacíficas e positivas".

Este ano foram detidas menos pessoas do que no ano anterior, e só nove foram detidas por posse de drogas.

Stonehenge, também chamado "O Templo do Sol", tem cerca de cinco mil anos de existência. Onde há cinco milénios se celebraram várias cerimónias religiosas, assinalam-se agora os solstícios de verão e de inverno.

Há várias décadas que é tradição em Inglaterra acorrer a Stonehenge para celebrar a chegada do verão, uma vez que se permite o acesso ao anel formado pelas pedras do conjunto arqueológico.

Declarado património da Humanidade pela UNESCO em 1986, Stonehenge é um monumento em semicírculo, e os arqueólogos nunca conseguiram confirmar se alguma fez formou um círculo perfeito.

Cerca de um milhão de turistas visitam anualmente este local no Reino Unido.

  • Sporting de Braga eliminado da Liga Europa
    2:01
  • Dissolução da União Soviética aconteceu há 25 anos

    Mundo

    Assinalaram-se esta quinta-feira 25 anos desde o fim do acordo que sustentava a União Soviética. A crise começou em 80, mas aprofundou-se nos anos 90 com a ascensão de movimentos nacionalistas em praticamente todas as repúblicas soviéticas.