sicnot

Perfil

Mundo

Estado Islâmico acusado de colocar minas junto às antigas ruínas de Palmira

Militantes do grupo Estado Islâmico (EI) colocaram minas terrestres e explosivos junto das antigas ruínas da cidade de Palmira, na Síria, disse hoje uma fonte à agência AFP, garantindo que o objetivo desta ação "não era claro".

© Khaled Al Hariri / Reuters

Um dos responsáveis do departamento de antiguidades da Síria, contactado por telefone, a partir de Damasco, disse à AFP que tinha recebido informações e relatos de moradores da cidade de Palmira sobre a colocação de explosivos nessa zona.

Por sua vez, o Observatório Sírio para os Direitos Humanos, que tem uma rede de fontes no terreno, garantiu que, no sábado, foram colocadas minas e explosivos junto às ruínas de Palmira, na província central de Homs, na Síria.

"Não se sabe se o objetivo é fazer explodir as ruínas ou impedir que as forças leais ao regime Sírio possam avançar para a cidade", disse o diretor do observatório, Rami Abdel Rahman.

De acordo com este responsável, as forças do regime lançaram ataques aéreos contra a parte residencial de Palmira nos últimos três dias, tendo matado pelo menos 11 pessoas.

"As forças do regime trouxeram reforços para a periferia de Palmira nos últimos dias, que indicam que podem estar a planear uma operação para retomar a cidade", concluiu.

Palmira é famosa pela suas vastas e bem preservadas ruínas greco-romano e está nas mãos dos rebeldes do grupo Estado Islâmico desde maio deste ano.







Lusa
  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.