sicnot

Perfil

Mundo

Milhares de pessoas em cordão humano pela independência do País Basco

Milhares de pessoas formaram hoje um cordão humano em várias cidades no País Basco para exigir um referendo regional à independência da região do norte de Espanha, noticiou a agência francesa AFP.

Lusa

Os manifestantes seguravam longas faixas multicolor enquanto marchavam pela capital não oficial do País Basco, Vitoria, o principal núcleo comercial, Bilbau, e a cidade costeira e destino de férias, San Sebastian. Também em Pamplona, na região vizinha de Navarra, onde existe uma grande comunidade basca, as pessoas saíram à rua.

Muitos manifestantes protestaram envoltos na bandeira do País Basco (vermelha, branca e verde).

Organizado pela plataforma pró-independência Gure Esku Dago (Está nas Nossas Mãos), o protesto foi apoiado por partidos separatistas e por dezenas de personalidades do desporto e das artes.

O mesmo grupo já havia organizado em junho de 2014 um cordão humano de 123 quilómetros, que se estendeu por todo o País Basco, ligando Durango a Pamplona.

"Mais e mais pessoas acreditam que o direito de decidir diz respeito a todos nós, e que temos o direito de decidir sobre o nosso futuro", disse hoje em San Sebastian Pello Urizar, o líder da coligação separatista de esquerda Bildu.

Em Bilbau a manifestação estendeu-se ao longo do rio Nervion, passando pelo icónico museu Guggenheim, enquanto em Pamplona o cordão humano ligou as cinco principais praças da cidade.

O País Basco, que tem uma língua e cultura próprias, tem lutado por maior independência face a Espanha.

Um movimento independentista basco pacífico tem ganho visibilidade nos últimos meses, inspirado pelas grandes manifestações pró-independência na Catalunha, que em novembro de 2014 realizou um referendo simbólico, apesar da oposição do Governo central espanhol.







Lusa
  • "Não há nenhuma meta com Bruxelas", garante Centeno no Parlamento
    0:57

    Economia

    O ministro das Finanças afirma que o Programa de Estabilidade é debatido em Lisboa e não em Bruxelas.Esta manhã, no Parlamento, Mário Centeno assegurou ainda que as metas são as mesmas com que se comprometeu no programa do Governo e garante que não há nenhuma meta acordada com Bruxelas.