sicnot

Perfil

Mundo

Sete talibãs mortos na operação que pôs fim ao ataque contra parlamento afegão

O ataque dos talibãs contra o parlamento afegão terminou hoje com a morte de sete rebeldes, numa ação que causou pelo menos 18 mortos civis, mas nenhum deputado, disse fonte governamental.

reuters

O porta-voz da polícia de Cabul, Ebadullah Karimi, disse que seis atacantes morreram poucos minutos depois de iniciada a operação e que a área estava sob controlo das forças de segurança afegãs. 

De acordo com uma mensagem na rede social "Twitter" do porta-voz do ministério do Interior afegão, Sediq Sediqqi, morreram sete talibãs na operação das forças de segurança e não se registaram vítimas entre os deputados. 

Karimi disse ainda que não houve vítimas entre os militares e polícias afegãos. 

Várias detonações ocorridas durante o ataque deveram-se à explosão de um depósito de munições das forças de segurança afegãs, que se encontra no edifício do parlamento. 

O porta-voz do ministério da Saúde Pública, Ismail Kawusi, disse que 18 civis ficaram feridos no ataque, tendo sido levados para o hospital Istiqlal, próximo do parlamento. 

A câmara baixa do parlamento afegão devia debater, na sessão de hoje, a nomeação de Masum Stanekzai para novo ministro da Defesa, que deve ser ratificada pelos deputados. 

Na primavera, os talibãs lançam habitualmente uma grande ofensiva, visando diversos alvos. Em maio, registaram-se vários ataques contra pensões em Cabul, nos quais morreram duas dezenas de pessoas, incluindo vários estrangeiros. 

  • Corpos de portuguesas trasladados segunda-feira 
    1:27
  • Incendiários vão passar o verão com pulseira eletrónica

    País

    Os tribunais vão poder condenar os incendiários a penas de prisão domiciliária, com pulseira eletrónica, durante as épocas de incêndio. A nova lei foi aprovada na semana passada, na Assembleia da República, e aguarda a promulgação do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

  • Estado vai tomar posse de terras abandonadas

    País

    O Governo vai recorrer ao Código Civil para permitir que o Estado tome posse de terras ao abandono. À margem da entrevista ao Expresso, o primeiro-ministro anunciou que o Governo irá acionar o artigo 1345º do Código Civil, que estabelece que as coisas imóveis sem dono conhecido se consideram do património do Estado.

  • "Trump, deixe-me ajudá-lo a escrever o discurso"
    0:47

    Mundo

    Arnold Schwarzenegger diz que Donald Trump tem o dever moral de se opor ao ódio e ao racismo. Num vídeo publicado nas redes sociais, o ator norte-americano e antigo governador da Califórnia encenou o discurso que Donald Trump devia ter. 

  • Hino da SIC tocado pela viola beiroa
    2:22