sicnot

Perfil

Mundo

Aeroportos na Nova Zelândia retomam normalidade após falha nos radares

Os aeroportos da Nova Zelândia retomaram hoje as operações, horas depois de uma falha nos sistemas de radares ter deixado em terra cerca de 200 aviões no país oceânico. 

© TIM WIMBORNE / Reuters

A informação foi divulgada pela Airways New Zeland, que controla o espaço aéreo da Nova Zelândia, na sua conta de Twitter, informa a agência Efe. 

As causas da falha nos radares continuavam por apurar, disse o ministro do Transporte, Simon Bridges, depois de falar do assunto com a Autoridade de Aviação Civil e com a Airways New Zealand.

"Garantiram-me que não comprometeu a segurança dos passageiros dos aviões e continuo a receber dados atualizados sobre a situação", acrescentou o ministro em declarações citadas pela televisão neozelandesa TVNZ.

Ao início da tarde (hora local), a Airways Nova Zelândia informou através das redes sociais que tinha sido detetado um problema nos sistemas de radar em todo o país e que os especialistas estavam a trabalhar para corrigi-lo.

Os aviões que estavam naquela altura a voar aterraram em segurança, mas as saídas de cerca de 200 aparelhos foram atrasadas, de acordo com a Rádio Nova Zelândia.

Alguns milhares de pessoas foram afetadas por atrasos e ainda esperam nos aeroportos para retomar os seus voos, numa altura em que a prioridade está a ser dada às rotas internacionais, informou a estação citada pela EFE.


Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.