sicnot

Perfil

Mundo

China convida tropas estrangeiras para parada do 70º aniversário do fim da II Guerra Mundial

A China convidou militares estrangeiros para participarem na parada comemorativa do 70º aniversário do final da II Guerra Mundial, numa iniciativa inédita no país, marcada para 3 de setembro em Pequim, anunciou hoje um responsável da organização.

© Jason Lee / Reuters

É também a primeira vez que a efeméride vai ser assinalada com uma parada militar e este ano, igualmente pela primeira vez, o dia 3 de setembro será feriado nacional na China.

"Esperamos que através desta parada deste ano, história e futuro fiquem ligados", disse Qu Rui, vice-chefe de operações do estado-maior do Exercito Popular de Libertação (o nome oficial das Forças Armadas chinesas), numa conferência de imprensa em Pequim.

O responsável não identificou os países convidados.

"Enviámos os convites e as tropas estrangeiras que desejem participar na parada são bem-vindas. O convite mostra o desejo da China e de todos os povos de manter a paz mundial", afirmou Qi Rui.

Na mesma conferência de imprensa, Wang Shiming, vice-diretor do Departamento de Propaganda do Comité Central do Partido Comunista Chinês (PCC), saudou o "o precioso apoio" que outros países deram à China durante os oito anos da "guerra contra a agressão japonesa" (1937-45).

Além da antiga União Soviética, que descreveu como "o primeiro país a ajudar a China", Wang Shiming mencionou os Estados Unidos, Reino Unido e França, e ainda "pessoas de dezenas de outros países".

"O povo chinês nunca esquecerá o precioso contributo de pessoas de muitos países", disse.

Wang Shiming considerou, contudo, que "falta a alguns ocidentais uma objetiva e justa avaliação do papel da China na guerra mundial contra o fascismo".

Segundo estimativas chinesas, o número de baixas, civis e militares, sofridas pela China durante a guerra excede os 35 milhões. 

O 3 de setembro foi instituído o ano passado como Dia Nacional da Vitória da China na Guerra de Resistência contra a Agressão Japonesa. 

A data evoca a rendição do Japão, assinada a 2 de setembro de 1945 a bordo de um navio da marinha norte-americana pelo então ministro japonês dos Negócios Estrangeiros



Lusa
  • Michelle Obama partilhou momento de despedida da Casa Branca
    1:43
  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Trabalhadores da saúde iniciam greve nacional

    País

    Trabalhadores da saúde estão esta sexta-feira a cumprir uma greve a nível nacional para reivindicar a admissão de novos profissionais, exigir a criação de carreiras e a aplicação das 35 horas semanais a todos os funcionários do setor.

  • Portugal a tremer de frio
    3:07

    País

    Portugal continua a registar temperaturas negativas, sobretudo no Norte do país. Em Trás-os-Montes, por exemplo, marcaram mínimas de 11 graus abaixo de zero e os termómetros desceram tanto que congelaram rios, canalizações de água e até aquecimentos de escolas. Mas nem tudo é mau pois os produtores falam em boa época para curar fumeiro.

  • Juiz brasileiro morto em acidente aéreo investigava corrupção na Petrobras
    1:28
  • Zoo da Indonésia acusado de querer matar ursos à fome

    Mundo

    Um grupo de ativistas da Indonésia acusa o Jardim Zoológico de Bandung de estar a matar à fome os seus animais, incluindo os ursos-do-sol, para ser fechado. Um vídeo recentemente publicado mostra os ursos, que aparecem muito magros e a implorar por comida.

  • Podem as plantas ver, ouvir e até reagir?

    Mundo

    Um professor de Ciências Vegetais da Universidade de Missouri, nos Estados Unidos, passou quatro décadas a investigar as relações entre vegetais e insetos. Na visão de Jack Schultz, as plantas são "como animais muito lentos", que conseguem ver, ouvir, cheirar e até têm comportamentos próprios.