sicnot

Perfil

Mundo

Líder da oposição na Venezuela suspende greve de fome

O líder da oposição na Venezuela Leopoldo López, anunciou hoje a suspensão da greve de fome que iniciou há 30 dias na prisão, como protesto para exigir a liberdade dos presos políticos e a convocação de eleições legislativas. 

© Jorge Lopez / Reuters

A suspensão da greve surge um dia depois de o Conselho Nacional Eleitoral da Venezuela marcar para 6 de dezembro a realização das eleições. 

"Este protesto não é para morrer mas para que todos os venezuelanos possam viver dignamente", escreveu Leopoldo López numa carta que foi lida aos jornalistas, em Caracas, pela sua mulher, Lilian Tintori, e na qual pede a outras 103 pessoas que terminem a greve de fome. 

"Peço a todos que terminemos a greve de fome", escreveu, vincando que devem "aceitar com humildade" o pouco que foi conseguido.  

"As forças democráticas estão mais preparadas que nunca para esta batalha (...). Recuperar-me-ei e continuarei a lutar por uma Venezuela melhor. Juro-lhes que jamais me vou render, quem se rende perde", afirmou López. 

O recurso à greve de fome como forma de protesto foi iniciado por Leopoldo López, líder do partido Vontade Popular, e pelo presidente da Câmara Municipal de San Cristóbal, Daniel Ceballos, que se encontram presos, a quem se juntaram depois outros opositores e um grupo de membros do movimento Juventude Ativa Venezuela Unida. 

Entretanto, um grupo de estudantes anunciou que manterá a greve de fome até conseguir a liberdade para vários políticos que estão presos. 

Leopoldo López, de 42 anos, encontra-se preso e é acusado pelas autoridades venezuelanas de "incitamento à desordem pública, associação criminosa, atentados à propriedade e incêndio", na sequência das manifestações de contestação à política da presidência de Nicolás Maduro, que terminaram em violência.

Lusa
  • Governo enfrenta vaga de contestação
    2:35

    Economia

    O Governo enfrenta uma onda de contestação. Guardas prisionais, procuradores, professores, médicos e enfermeiros descontentes ameaçam com greves nos diferentes setores, já nos meses de março e abril.

  • Bastonário dos médicos diz que a classe deixou de acreditar no ministro da Saúde
    2:24

    País

    Desde Março do ano passado que perto de mil médicos especialistas aguardam colocação nos hospitais. O concurso, prometido várias vezes pelo ministro da Saúde, não abriu ainda por falta de autorização do Ministério das Finanças. Amanhã, quinta-feira, um grupo destes médicos vai à Assembleia da República entregar uma carta que entretanto já seguiu para os ministros da Saúde e Finanças.

  • Proposta criação de 77 mil empregos através de uma descida da TSU
    1:23
  • 296 mortos em 2 dias de bombardeamentos em Ghouta Oriental
    2:16
  • Tiroteio na Florida foi o 18.º registado em meio escolar nos EUA desde janeiro
    1:25