sicnot

Perfil

Mundo

Líder da oposição na Venezuela suspende greve de fome

O líder da oposição na Venezuela Leopoldo López, anunciou hoje a suspensão da greve de fome que iniciou há 30 dias na prisão, como protesto para exigir a liberdade dos presos políticos e a convocação de eleições legislativas. 

© Jorge Lopez / Reuters

A suspensão da greve surge um dia depois de o Conselho Nacional Eleitoral da Venezuela marcar para 6 de dezembro a realização das eleições. 

"Este protesto não é para morrer mas para que todos os venezuelanos possam viver dignamente", escreveu Leopoldo López numa carta que foi lida aos jornalistas, em Caracas, pela sua mulher, Lilian Tintori, e na qual pede a outras 103 pessoas que terminem a greve de fome. 

"Peço a todos que terminemos a greve de fome", escreveu, vincando que devem "aceitar com humildade" o pouco que foi conseguido.  

"As forças democráticas estão mais preparadas que nunca para esta batalha (...). Recuperar-me-ei e continuarei a lutar por uma Venezuela melhor. Juro-lhes que jamais me vou render, quem se rende perde", afirmou López. 

O recurso à greve de fome como forma de protesto foi iniciado por Leopoldo López, líder do partido Vontade Popular, e pelo presidente da Câmara Municipal de San Cristóbal, Daniel Ceballos, que se encontram presos, a quem se juntaram depois outros opositores e um grupo de membros do movimento Juventude Ativa Venezuela Unida. 

Entretanto, um grupo de estudantes anunciou que manterá a greve de fome até conseguir a liberdade para vários políticos que estão presos. 

Leopoldo López, de 42 anos, encontra-se preso e é acusado pelas autoridades venezuelanas de "incitamento à desordem pública, associação criminosa, atentados à propriedade e incêndio", na sequência das manifestações de contestação à política da presidência de Nicolás Maduro, que terminaram em violência.

Lusa
  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras