sicnot

Perfil

Mundo

Médicos alertam para riscos de "skinny jeans" para a saúde

Médicos australianos advertem que as calças "skinny" podem representar um risco para a saúde, depois de uma mulher ter temporariamente deixado de sentir as pernas após utilizar aquela peça de vestuário durante várias horas. 

skynnyjeans.com

A mulher, de 35 anos, desmaiou e teve de ser hospitalizada depois de ter estado várias horas agachada a arrumar armários quando ajudava um familiar a mudar de casa.

O caso foi relatado numa publicação britânica especializada da área da neurologia, o  Journal of Neurology Neurosurgery & Psychiatry.

"Ela esteve a usar 'skinny' jeans e recordou que se sentiu cada vez mais apertada e desconfortável com o passar do dia", relata o jornal.

Segundo o jornal, ao final do dia, a mulher sentiu dormência nos pés e dificuldades em andar, acabando por cair. Como não se conseguiu levantar, esteve várias horas deitada até ser encontrada.

As pernas ficaram tão inchadas que as calças tiveram de ser cortadas para serem removidas, refere o relato médico, acrescentando que a mulher não conseguia mexer os tornozelos e os pés e tinha deixado de sentir as pernas e os pés.

A mulher foi posta a soro e só conseguiu andar normalmente quatro dias depois.

Os médicos do Royal Adelaide Hospital, no sul da Austrália, afirmaram que as calças, combinadas com o agachamento, reduziram o fornecimento de sangue aos músculos das pernas.

Ao mesmo tempo, as fibras nervosas que ligam a parte inferior da perna foram danificadas devido à compressão prolongada, o que explica o entorpecimento e perda de controlo.

"O presente caso representa uma nova complicação neurológica de vestir jeans apertados", acrescenta a publicação.


Lusa
  • Polémica "Supernanny" em debate hoje na SIC
    2:25
  • Centeno aponta para a reforma e expansão do euro
    0:32

    Economia

    O ministro das Finanças português participa hoje na primeira reunião enquanto presidente do Eurogrupo. À entrada para o encontro dos ministros das Finanças da moeda única, Mário Centeno apontou a reforma do Euro como um dos principais desafios do mandato que agora inicia. 

  • Puigdemont chegou à Dinamarca e não foi detido

    Mundo

    O Ministério Público espanhol pediu ao tribunal supremo para voltar a emitir um mandado europeu de detenção contra o ex-presidente da Catalunha, Carles Puigdemont, que se deslocou à Dinamarca para participar numa conferência. O Supremo rejeitou no entanto o pedido. Entretanto na Catalunha, o presidente do parlamento propôs Puigdemont para voltar a dirigir o Governo Regional.

  • O caso Assange é "um problema" para o Equador

    Mundo

    O Presidente equatoriano, Lenin Moreno, declarou no domingo que o asilo atribuído ao fundador do WikiLeaks, Julian Assange, pela embaixada do Equador em Londres desde 2012 é "um problema herdado" que constitui "mais que um aborrecimento".