sicnot

Perfil

Mundo

Centenas de professores manifestaram-se na capital do Chile contra as reformas na educação

Centenas de professores manifestaram-se esta quarta-feira, na capital do Chile, contra as reformas na educação que estão a ser realizadas pelo governo.

© STRINGER Chile / Reuters

Centenas de professores manifestaram-se esta quarta-feira, na capital do Chile, contra as reformas na educação que estão a ser realizadas pelo governo.

Reformas que os professores dizem ser insuficientes, e acusam o governo de não ter fechado a porta ao diálogo.

Durante o protesto, os manifestantes desafiaram as autoridades e houve confrontos na ruas do centro de Santiago.

Os professores bloquearam algumas das principais artérias em frente ao ministério da educação e a polícia recorreu a canhões de água para dispersar os manifestantes.

Estão contra o novo estatuto docente que, entre outros pontos, faz depender os aumentos salariais das avaliações de desempenho.
O sindicato dos professores fala numa reforma baseada na "desconfiança" em relação ao trabalho dos docentes.
  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Recuo na saúde é primeira derrota de peso para Donald Trump
    1:18

    Mundo

    O Presidente norte-americano sofreu esta sexta-feira uma derrota de peso. O líder da Câmara dos Representantes retirou a proposta do plano de saúde de Trump, que se preparava para um chumbo na câmara baixa do Congresso. Para já, mantém-se o Obamacare.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.