sicnot

Perfil

Mundo

Pelo menos 42 mortos na Nigéria em alegados ataques do Boko Haram

Pelo menos 42 pessoas morreram desde o início da semana em dois ataques do grupo islâmico Boko Haram no nordeste da Nigéria, noticiou hoje a agência France Presse.

(Reuters/ Arquivo)

(Reuters/ Arquivo)

© Akintunde Akinleye / Reuters

"Recebemos informações sobre ataques conduzidos por homens suspeitos de pertencer ao Boko Haram em duas aldeias, que fizeram 42 mortos", declarou à AFP um polícia da localidade de Biu (Estado de Borno), acrescentando que os ataques ocorreram na segunda e na terça-feira.

As notícias sobre os ataques demoraram algum tempo a ser conhecidas, informou a AFP, porque as aldeias de Debiro Biu e Debiro Hawul são ambas muito remotas.

Uma testemunha, Umaru Markus, indicou que cerca de 30 islamitas atacaram as aldeias em carrinhas "pick-up" e em motas.

Markus estava em Debiro Hawul e conseguiu fugir quando os atacantes chegaram, na noite de segunda para terça-feira.

"Eles chegaram cerca da meia-noite e meia (23:30 em Lisboa) e abriram fogo sobre a aldeia, levando a que as pessoas fugissem para a mata", explicou a testemunha à AFP por telefone, a partir de Biu.

Os homens armados, disse Markus, "massacraram 22 pessoas que não foram rápidas o suficiente a fugir", pilhando depois casas, celeiros com cereais e farmácias.

Antes do ataque a Debiro Hawul, os homens armados já tinham passado por Debiro Biu, a meio da tarde de segunda-feira.

"Ali mataram 20 pessoas, roubaram comida e queimaram as casas", acrescentou Umaru Markus.



Lusa

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • Metade dos moradores de Sandinha recusaram sair das casas
    3:14
  • Habitantes de Várzeas tentam regressar à normalidade
    2:48
  • Corpos da tragédia em Pedrógão guardados em camião de alimentos
    8:11

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Duarte Nuno Vieira, médico legista, esteve esta quinta-feira, na Edição da Noite, para comentar o que já foi feito e o que falta fazer em Pedrógão Grande, depois de ter sido atingido pelos incêndios. O presidente do Conselho Europeu de Medicina Legal defendeu que guardar os corpos das vítimas mortais num camião de alimentos foi uma "maneira de solucionar o problema da forma possível", visto que não há espaço no Instituto Nacional De Medicina Legal.

  • Johnny Depp sugere assassínio de Trump
    0:31