sicnot

Perfil

Mundo

Responsável das secretas de França vai aos EUA para discutir espionagem

Um alto responsável do serviço de informações francês vai deslocar-se "nos próximos dias" aos Estados Unidos para falar com as autoridades sobre as revelações de que três presidentes franceses foram escutados pelos norte-americanos, anunciou hoje o governo francês.

(Reuters/ Arquivo)

(Reuters/ Arquivo)

© Philippe Wojazer / Reuters

O "coordenador do serviço de informações francês" junto da Presidência francesa, Didier Le Bret, deverá "fazer o balanço de todas as disposições acordadas entre a França e os Estados Unidos" em matéria de espionagem, declarou o porta-voz do governo, Stéphane Le Foll, à saída da reunião semanal do Conselho de Ministros. 

O Governo francês considerou "inaceitável a espionagem entre aliados" e o Ministério dos Negócios Estrangeiros convocou para o final da tarde de hoje a embaixadora dos Estados Unidos em França, Jane Hartley, para prestar explicações, adiantou o porta-voz.

Os documentos -- classificados de secretos e que parecem indicar que os presidentes franceses Jacques Chirac, Nicolas Sarkozy e François Hollande foram espiados entre 2006 e 2012 -- foram divulgados pela WikiLeaks em parceria com o jornal francês Liberation e o 'site' Mediapart.

A Casa Branca não se pronunciou sobre o passado, mas disse não ter atualmente como alvo as comunicações de Hollande, nem pretender ter no futuro.


Lusa
  • "Se me pergunta se estou de consciência tranquila, estou"
    2:13

    País

    O ministro Vieira da Silva assegura que aguarda com tranquilidade que a investigação em curso esclareça as alegadas irregularidades na associação Raríssimas. Alguns mecenas estão já a suspender o apoio, na sequência do escândalo que já levou a duas demissões. 

  • Novo regime dos recibos verdes "acaba com as injustiças dos escalões"
    1:10
  • Brinquedos tecnológicos para oferecer no Natal
    5:33
  • Aniversário de Marcelo passado nas comemorações dos 700 anos da Marinha
    1:45

    País

    O Presidente da República defende que é preciso continuar a investir na Armada, nas pessoas, nas capacidades e no apoio de retaguarda. No dia em que fez 69 anos, Marcelo Rebelo de Sousa esteve nas comemorações dos 700 da Marinha, onde sublinhou os sete séculos de conquistas e de combates navais.

  • Costa anuncia reunião sobre neutralidade carbónica em fevereiro
    2:03

    País

    O Presidente francês defende que é preciso ir mais longe e mais rápido na luta contra as alteração climáticas, numa resposta à decisão de Donald Trump de retirar os EUA do Acordo de Paris. Em fevereiro, será a vez de Portugal organizar uma reunião sobre energia e transportes.