sicnot

Perfil

Mundo

Ameaça de explosivos a bordo obriga Ryanair a adiar voo

Um avião da Ryanair, proveniente de Varsóvia, na Polónia, com destino a Oslo, na Noruega, foi, adiado devido a uma ameaça de explosivos a bordo.

© Fabrizio Bensch / Reuters

As autoridades suspeitavam que havia explosivos a bordo. Tanto a polícia como a Ryanair, dona do avião, garantem que não passou de um falso alarme.

De acordo com a Agência Reuters, a Ryanair confirmou que foi feita uma chamada anónima, denunciado a presença de explosivos a bordo de um dos seus aviões, na Polónia, mas garante que tudo não passou de um falso alarme.

Entretanto as autoridades polacas já detiveram o suspeito, um homem de 48 anos.

No local, estiveram mais de uma dezena de bombeiros. O aparelho foi inspecionado por uma equipa peritos que não encontrou nenhum explosivo a bordo.

A Ryanair garante que o avião estava vazio, ao contrário do que chegou a ser avançado pela agência de notícias AP que dava conta de que o aparelho tinha sido sujeito a uma aterragem de emergência.  

Todas as aterragens e descolagens no aeroporto foram temporariamente suspensas.

O aeroporto de Varsóvia já terá regressado à normalidade. 
  • Reportagem Especial dá a voz aos despedidos da banca
    1:18
  • CEMGFA admite que várias armas roubadas estão em condições de ser usadas
    2:06

    Assalto em Tancos

    Afinal há várias armas roubadas em Tancos que estão em condições de ser utilizadas, sendo que apenas os lança-granadas-foguete estão obsoletos. Esta manhã, o general Pina Monteiro admitiu, no Parlamento, que a declaração que fez há duas semanas pode ter induzido em erro a opinião pública. O chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas (CEMGFA) diz, ainda, que se houvesse indícios sobre colaboração do Exército neste caso, os suspeitos estariam presos.

  • Pais de Charlie Gard querem que o bebé morra em casa

    Mundo

    Depois de terem renunciado à batalha judicial para manterem o filho com vida, os pais do bebé britânico Charlie Gard desejam agora levar a criança para morrer em casa. O desejo foi revelado pelo advogado de Chris Gard e Connie Yates, numa audiência esta tarde, no Supremo Tribunal de Londres. Contudo, o hospital responsável pelo caso admite que os cuidados a Charlie não podem ser feitos em casa.