sicnot

Perfil

Mundo

Atirador do atentado na Tunísia era um estudante desconhecido da polícia

O atirador do atentado de hoje contra um hotel na zona turística de Sousse, na costa oriental da Tunísia, morto pela polícia, era um estudante desconhecido das autoridades, segundo fonte oficial tunisina. 

Polícia tunisina com um suspeitos dos ataques em Sousse.

Polícia tunisina com um suspeitos dos ataques em Sousse.

Med amine ben aziza/EPA

"Ele é tunisino, natural da região de Kairouan (centro). É um estudante", disse o secretário de Estado da Segurança, Rafik Chelly, a uma rádio tunisina.

"Esta pessoa não era conhecida" das autoridades, acrescentou.

"Entrou pela praia, vestido como um banhista e com um guarda-sol dentro do qual estava uma metralhadora", disse Chelly.

O responsável disse ainda que, de acordo com os primeiros elementos da polícia, o ataque foi cometido por um único atirador.

Pelo menos 27 pessoas, entre as quais turistas estrangeiros, foram mortas hoje quando um homem armado abriu fogo indiscriminadamente no hotel International Marhaba, na estância turística de Sousse, cerca de 140 quilómetros a sul de Tunes.

O atacante foi morto pela polícia no local.


Lusa
  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.