sicnot

Perfil

Mundo

Avião "Solar Impulse 2" deixa Japão com destino ao Havai

O avião movido a energia solar "Solar impulse 2" passou hoje o "ponto de não retorno" ao deixar o Japão com destino ao Havai, a etapa mais ambiciosa da viagem que realiza à volta do mundo.

© KYODO Kyodo / Reuters

O piloto suíço André Borschberg, de 62 anos, deixou a cidade japonesa de Nagoya cerca das 03:00 (19:00 de domingo em Lisboa), cinco dias depois das condições meteorológicas terem forçado os organizadores a cancelar a anterior tentativa.

"Não há volta a dar! Isto é um bilhete de ida para o Havai", refere um 'tweet' publicado na conta da rede social do "Solar Impulse", em que se sublinha que "André Borschberg passou o ponto de não retorno e deve agora fazer a viagem de cinco dias e cinco noites até ao fim".

O avião descolou no início de março de Abu Dhabi, capital dos Emirados Árabes Unidos, para uma primeira volta ao mundo sem combustível, a fim de promover as fontes de energia limpa. 

Trata-se do culminar de 13 anos de investigação e trabalho dos pilotos suíços André Borschberg e Bertrand Piccard, que conceberam a ideia de voar com recurso à energia solar, a qual foi inicialmente ridicularizada pela indústria aeronáutica.

Batizada de SI2 ('Solar Impulse 2'), a aeronave é alimentada por mais de 17 mil células solares embutidas nas suas asas, que medem 72 metros, sendo quase tão longas como as de um Airbus A380, mas como é concebida em fibra de carbono, pesa apenas 2,5 toneladas, menos de 1% do peso daquele avião.

Lusa
  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras