sicnot

Perfil

Mundo

Tunísia anuncia primeiras detenções pelo ataque em Sousse

A Tunísia anunciou hoje as primeiras detenções no âmbito da investigação ao ataque sangrento de sexta-feira, numa estância turística em Port El Kantaoui, sem especificar o número de detidos ou o grupo a que estão afiliados. 

Atacante caminhou com arma automática pela praia

Atacante caminhou com arma automática pela praia

"Detivemos um primeiro grupo, com vários membros, que atuaram com o apoio de uma rede", disse o ministro do Interior Najem Gharsalli, numa alusão ao autor do ataque, identificado pelas autoridades como Seifeddine Rezgui, um estudante de 23 anos. 

"Qualquer pessoa que tenha fornecido apoio logístico ou financeiro", para a execução do atentado, será detida, disse Gharsalli, acrescentando: "Eu prometo às vítimas (...) os criminosos serão levados à justiça tunisina e punidos". 

O ministro do Interior tunisino falava numa conferência de imprensa, no hotel onde o massacre ocorreu, juntamente com os seus homólogos francês, alemão e britânico. 

O ministro agradeceu a presença destes num "período difícil" para a Tunísia. 

"Nós partilhamos e defendemos os mesmos valores" e "estamos a analisar o que podemos fazer no futuro para cooperar na área da segurança", acrescentou.

Gharsalli recordou ainda que o seu Governo decidiu manter policias armados em praias e no interior de hotéis, bem como perto de todas as mesquitas que "disseminam discursos de ódio (...) para dividir os tunisinos".  

O atentado de sexta-feira, reivindicado pela organização extremista Estado Islâmico (EI), é o pior ataque `jihadista´ na história da Tunísia.


Lusa
  • "O que é isto, mamã?"
    36:23
  • Parlamento debate uso de animais no circo: as posições do PCP, Bloco e PAN
    2:03
  • ONU analisa proposta do Egito que visa anular decisão de Trump sobre Jerusalém
    1:27

    Mundo

    O Conselho de Segurança das Nações Unidas está a analisar um projeto de resolução que pretende rejeitar a decisão de Donald Trump de reconhecer Jerusalém como capital oficial de Israel. O projeto de resolução, proposto pelo Egito, deverá ser votado amanhã mas vai, seguramente, contar com o voto contra dos Estados Unidos.