sicnot

Perfil

Mundo

Tunísia anuncia primeiras detenções pelo ataque em Sousse

A Tunísia anunciou hoje as primeiras detenções no âmbito da investigação ao ataque sangrento de sexta-feira, numa estância turística em Port El Kantaoui, sem especificar o número de detidos ou o grupo a que estão afiliados. 

Atacante caminhou com arma automática pela praia

Atacante caminhou com arma automática pela praia

"Detivemos um primeiro grupo, com vários membros, que atuaram com o apoio de uma rede", disse o ministro do Interior Najem Gharsalli, numa alusão ao autor do ataque, identificado pelas autoridades como Seifeddine Rezgui, um estudante de 23 anos. 

"Qualquer pessoa que tenha fornecido apoio logístico ou financeiro", para a execução do atentado, será detida, disse Gharsalli, acrescentando: "Eu prometo às vítimas (...) os criminosos serão levados à justiça tunisina e punidos". 

O ministro do Interior tunisino falava numa conferência de imprensa, no hotel onde o massacre ocorreu, juntamente com os seus homólogos francês, alemão e britânico. 

O ministro agradeceu a presença destes num "período difícil" para a Tunísia. 

"Nós partilhamos e defendemos os mesmos valores" e "estamos a analisar o que podemos fazer no futuro para cooperar na área da segurança", acrescentou.

Gharsalli recordou ainda que o seu Governo decidiu manter policias armados em praias e no interior de hotéis, bem como perto de todas as mesquitas que "disseminam discursos de ódio (...) para dividir os tunisinos".  

O atentado de sexta-feira, reivindicado pela organização extremista Estado Islâmico (EI), é o pior ataque `jihadista´ na história da Tunísia.


Lusa
  • Caravana com cinzas de Fidel chega este sábado a Santiago de Cuba
    2:01
  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.