sicnot

Perfil

Mundo

Kuwait afirma ter desmantelado célula terrorista após explosão de mesquita

O Kuwait afirmou hoje ter desmantelado hoje a "célula terrorista" alegadamente responsável pela explosão numa mesquita xiita na passada sexta-feira, que causou 26 mortos e 277 feridos.

© Stringer . / Reuters

O ministro da Administração Interna do Kuwait, Mohammad Kahaled Al-Sabah, afirmou à agência noticiosa francesa AFP que as autoridades continuam a procurar mais membros da célula.

   Entre um número indeterminado de suspeitos detidos, cinco foram encaminhados para o Ministério Público, incluindo o motorista que conduziu o bombista suicida saudita ao local do ataque, bem como o proprietário do veículo.

  O Conselho Judicial Supremo do Kuwait "decidiu criar um tribunal especial para julgar os suspeitos detidos", avançou ao Parlamento o ministro da Justiça e dos Assuntos Islâmicos, Yacoub al-Sane. 

  O ataque de sexta-feira, que causou 26 mortos e 227 feridos, foi reivindicado pelo ramo saudita do grupo extremista Estado Islâmico, e identificou Abu Suleiman al-Muwahhid como o autor do atentado.   

       No entanto, no domingo passado, as autoridades do Kuwait revelaram que o verdadeiro nome do bombista suicida é Fahd al-Suleiman Abdulmohsen Qaba'a, de 23 anos de idade, que entrou no país na madrugada do dia do atentado num voo proveniente do Bahrain.

 

 

 

 

Lusa

 

  • A fuga dos PIDES
    20:08
  • Dominado incêncio no centro de tratamento de resíduos da Tratolixo
    1:55

    País

    O fogo na Tratolixo, em Trajouce, deflagrou esta segunda-feira à noite. As chamas foram controladas a meio da manhã pelos bombeiros. No local estão 133 operacionais, apoiados por 51 veículos. O fogo não fez vítimas nem danos materiais. O vento dificultou o combate às chamas.

  • Duas execuções no mesmo dia pela primeira vez em 17 anos nos EUA

    Mundo

    O estado norte-americano do Arkansas (sul) executou, na noite de segunda-feira, dois condenados à morte, o que sucede pela primeira vez em 17 anos no país, anunciou a procuradora-geral daquele estado. Jack Jones e Marcel Williams, condenados separadamente na década de 1990 à pena capital por violação e assassínio, receberam uma injeção letal depois de diferentes tribunais terem rejeitado os respetivos recursos, afirmou Leslie Rutledge, em comunicado.