sicnot

Perfil

Mundo

Lufthansa oferece 25 mil euros a familiares de mortos em queda do avião da Germanwings

A companhia aérea alemã Lufthansa anunciou hoje que ofereceu 25.000 euros em compensações às famílias dos passageiros alemães que morreram na queda do avião da Germanwings em março, quantia rejeitada pelos advogados das famílias por ser "completamente inadequada".  

Martin Meissner

A Lufthansa e a sua subsidiária 'low-cost' Germanwings declararam que cada familiar próximo das vítimas (pais, filhos e companheiros) receberá ainda 10.000 euros, segundo comunicado citado pela agência France Presse (AFP).

O advogado Elmar Giemulla, que representa as famílias, definiu a oferta como "completamente inadequada".

A 24 de março, Andreas Lubitz, copiloto de 27 anos do avião, pilotou o Airbus A320 deliberadamente contra uma montanha em território francês, matando as 150 pessoas a bordo, incluindo 72 alemães.

Após o desastre, a Lufthansa ofereceu até 50.000 euros por passageiro aos seus familiares, independentemente de quaisquer pagamentos de compensação.

Em comunicado conjunto divulgado hoje, a Lufthansa e a Germanwings declararam assumir a "responsabilidade pelas consequências duradouras do desastre", criando por exemplo um fundo especial de 7.8 milhões de euros para apoiar a educação das crianças e adolescentes que perderam pais na queda do avião.

As companhias responsabilizam-se também pela construção de memoriais à tragédia em quatro localidades afetadas.

No comunicado citado pela AFP, as transportadoras declaram ainda que "as famílias das vítimas e os seus advogados serão informados de compensações adicionais nos próximos dias".

 

Lusa

  • Família perde tudo na aldeia de Queirã
    2:32
  • Temperaturas sobem no fim de semana, risco de incêndio aumenta
    1:08

    País

    A chuva que caiu nos últimos dias não deverá ter impactos relevantes na dominuição da seca e, por isso, o risco de incêndios vai voltar a aumentar com nova subida das temperaturas. Os termómetros podem chegar aos 30 graus entre domingo e quarta-feira.

  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão