sicnot

Perfil

Mundo

Sete polícias condenados por excessos cometidos durante protestos na Venezuela

As autoridades venezuelanas anunciaram hoje que sete polícias foram detidos e condenados por tribunais venezuelanos no âmbito de processos relacionados com excessos cometidos durante os protestos ocorridos em 2014 contra o Governo do Presidente Nicolás Maduro.  

Ramon Espinosa

O anúncio foi feito pela Procuradora Geral da República Bolivariana da Venezuela, Luísa Ortega Díaz, durante uma intervenção perante o Comité dos Direitos Humanos das Nações Unidas que teve lugar em Genebra, na Suíça, durante a qual Caracas foi questionada sobre a repressão de parte das forças de segurança venezuelanas a manifestantes opositores.

Segundo Luísa Ortega Díaz, estão abertos processos de investigação contra outros 29 funcionários, "de distintos cargos do Estado", dos quais nove estão acusados de homicídio e 27 por tratamento cruel.

Em relação aos milhares de manifestantes detidos, precisou que 1.659 pessoas foram ilibadas, 1.558 foram acusadas formalmente, 1.218 estão em liberdade e 35 cidadãos permanecem detidos.

Durante a sua intervenção, a procuradora indicou que a taxa de homicídios em 2014 foi de 62 assassinatos por cada 100.000 habitantes e que a "Venezuela está a tentar fomentar uma cultura de paz para travar o aumento" dos assassinatos, tendo conseguido inutilizar 26.518 armas em ações de consciencialização para a cidadania.

Lusa

  • Presidente da IPSS "O Sonho" garante que vai demitir-se
    0:57

    País

    A PJ de Setúbal fez esta sexta-feira buscas em três instituições de solidariedade social e em casas particulares ligadas à IPSS "O Sonho", por suspeitas de peculato de uso, fraude na obtenção de subsídios e falsificação de documentos. O presidente da associação nega as suspeitas e diz que está de "consciência tranquila". Florival Cardoso, que é o principal visado na investigação, fala sobre uma "caça às bruxas" e garante que vai demitir-se, porque considera que está a ser cometida uma "enorme injustiça".

  • "Situação humanitária dos civis em Ghouta é aterradora"
    0:49

    Mundo

    O enviado especial da ONU para a Síria lançou esta sexta-feira um novo apelo a um cessar-fogo. O responsável está particularmente preocupado com a situação da população civil e diz que é preciso evitar que se repita em Ghouta o que se passou em Alepo.

  • Instantes de uma noite de futebol europeu
    0:41
  • Não dá mais, Brasil!
    18:00