sicnot

Perfil

Mundo

Sete polícias condenados por excessos cometidos durante protestos na Venezuela

As autoridades venezuelanas anunciaram hoje que sete polícias foram detidos e condenados por tribunais venezuelanos no âmbito de processos relacionados com excessos cometidos durante os protestos ocorridos em 2014 contra o Governo do Presidente Nicolás Maduro.  

Ramon Espinosa

O anúncio foi feito pela Procuradora Geral da República Bolivariana da Venezuela, Luísa Ortega Díaz, durante uma intervenção perante o Comité dos Direitos Humanos das Nações Unidas que teve lugar em Genebra, na Suíça, durante a qual Caracas foi questionada sobre a repressão de parte das forças de segurança venezuelanas a manifestantes opositores.

Segundo Luísa Ortega Díaz, estão abertos processos de investigação contra outros 29 funcionários, "de distintos cargos do Estado", dos quais nove estão acusados de homicídio e 27 por tratamento cruel.

Em relação aos milhares de manifestantes detidos, precisou que 1.659 pessoas foram ilibadas, 1.558 foram acusadas formalmente, 1.218 estão em liberdade e 35 cidadãos permanecem detidos.

Durante a sua intervenção, a procuradora indicou que a taxa de homicídios em 2014 foi de 62 assassinatos por cada 100.000 habitantes e que a "Venezuela está a tentar fomentar uma cultura de paz para travar o aumento" dos assassinatos, tendo conseguido inutilizar 26.518 armas em ações de consciencialização para a cidadania.

Lusa

  • Família perde tudo na aldeia de Queirã
    2:32
  • Temperaturas sobem no fim de semana, risco de incêndio aumenta
    1:08

    País

    A chuva que caiu nos últimos dias não deverá ter impactos relevantes na dominuição da seca e, por isso, o risco de incêndios vai voltar a aumentar com nova subida das temperaturas. Os termómetros podem chegar aos 30 graus entre domingo e quarta-feira.

  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão