sicnot

Perfil

Mundo

Chineses estão a ficar mais altos e mais obesos

O povo chinês está a ficar mais alto à medida que o país tem vindo a enriquecer, mas o índice de obesidade que apresenta revela um crescimento ainda mais rápido, refere a imprensa estatal local.

(Arquivo)

(Arquivo)

Ng Han Guan / AP

A proporção de chineses com mais de 18 anos que em 2012 apresentava excesso de peso era 30,1 por cento, significando um aumento de 7,3 pontos percentuais atingido numa década, disse na terça-feira o vice-diretor da Comissão Nacional para a Saúde e Planeamento Familiar, Wang Guoqiang, numa conferência de imprensa.

O rácio de obesidade aumentou 4,8 pontos percentuais, representando um crescimento de 11,9 por cento, o que significa que há mais dois terços da população chinesa a apresentar índices de obesidade, acrescentou.

O peso médio dos chineses homens situava-se, em 2012, nos 66,2 quilos, e o das mulheres em 57,3 quilos, esclareceu Wang Guoqiang, com base num relatório governamental sobre nutrição nacional e doenças crónicas.   

Este resultado significa que, no espaço de dez anos, os homens aumentaram cerca de 3,5 quilogramas, e as mulheres 2,9 quilogramas, refere hoje o jornal China Daily citando os números anteriormente mencionados.

"Tabagismo, excesso de álcool, pouco exercício físico e uma dieta nada saudável, como consumo abusivo de sal e de gorduras [polinsaturadas] são os principais comportamentos de risco", apontou Wang Guoqiang na conferência de imprensa, sublinhando serem estas as razões que estão a "provocar ou agravar as doenças crónicas".

No entanto, acrescem a este problema "as pressões resultantes de um rápido desenvolvimento e transformação da economia e da sociedade na vida das pessoas, mudanças a nível pessoal e profissional que também causam impactos na saúde", indicou.  

A média de altura dos chineses homens há dez anos era de 1,67 metros e aumentou 04 milímetros, enquanto as mulheres, cuja média era 1,56 metros, cresceram 07 milímetros.

Num relatório publicado em 2014 na revista médica britânica 'The Lancet' mostra-se que anualmente morrem 363.000 pessoas na China por causas decorrentes da obesidade, como diabetes e ataques cardíacos.

Lusa

  • Inglaterra estreia-se com vitória suada frente à Tunísia

    Mundial 2018 / Tunísia

    A seleção inglesa estreou-se no Mundial 2018 com um triunfo sobre a Tunísia por 2-1, com o golo da vitória a ser apontado já para lá do minuto 90. O jogo foi referente à 1.ª jornada do grupo G. Veja aqui os golos e os lances que marcaram o encontro.

  • O melhor golo do 5.º dia de Mundial

    Desporto

    Numa escolha feita pelos jornalistas de desporto e do site da SIC Notícias, mostramos-lhe o melhor golo deste quinto dia de Mundial. Foi apontado por Dries Mertens, na vitória da Bélgica sobre o Panamá por 3-0.

  • Salto de Cristiano Ronaldo inspira dança afro-beat

    Desporto

    Uma música humorística afro-beat, publicada nas redes sociais e inspirada nos saltos de Cristiano Ronaldo quando marca golos, está a ser replicada na internet com dezenas de coreografias filmadas, muitas das quais em França.

  • Ronaldo no País dos Sovietes: As religiões praticadas na Rússia
    1:55
  • "Estamos a plantar fósforos"
    2:09

    Opinião

    O calor regressou esta segunda-feira em força e no terreno estiveram quase 1300 bombeiros a combater 70 fogos por todo o país. Depois da tragédia de Pedrógão Grande, o Presidente da República diz que a consciência do país mudou mas é preciso fazer mais. Já Miguel Sousa Tavares diz que o país está mais preparado para combater os incêndios do que alguma vez esteve. No entanto, o comentador da SIC diz que já foram plantados mais de "2500 hectares de eucaliptos" desde Pedrógão e que enquanto isso acontecer Portugal vai continuar a arder. 

    Miguel Sousa Tavares

  • Pai de Meghan Markle lamenta ser "nota de rodapé" no casamento real
    2:03
  • Quando as crianças fazem das suas... os pais é que pagam

    Mundo

    Quando as crianças fazem das suas, restam os pais para as castigar ou, em alguns casos, para sofrer as consequências desses atos. Quem o pode dizer é um casal norte-americano, que recebeu uma fatura de 132 mil dólares (cerca de 114 mil euros), depois de o filho ter derrubado uma estátua num centro comunitário.

    SIC