sicnot

Perfil

Mundo

Cerca de 3.000 civis mortos desde o início do ano em ataques aéreos na Síria

Pelo menos 2.916 civis morreram e 18.000 foram feridos desde o início do ano na Síria, em ataques aéreos do regime de Bashar al-Assad, segundo informação divulgada hoje pelo Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

© Stringer Turkey / Reuters

Entre os mortos civis incluem-se pelo menos 665 crianças e 456 mulheres, detalha a organização, citada pela agência espanhola EFE.

Os bombardeamentos do regime causaram ainda a morte a 1.213 combatentes entre as diversas forças rebeldes.

Todas as províncias da Síria foram alvo dos ataques aéreos, excetuando a província costeira de Tartus, que apenas presenciou combates terrestres. 

Entre os ataques, 8.782 foram levados a cabo por aviões, mas um total de 10.423 foram realizados por helicópteros, que lançaram pelo menos 10.433 'bombas barril'. 

As 'bombas barril' são armas artesanais constituídas por explosivos e detritos dentro de um barril de metal, que é lançado manualmente pela tripulação dos helicópteros.

O chefe dos 'Capacetes Brancos' - organização Síria de proteção civil voluntária e independente, que se responsabiliza pelo resgate imediato às vítimas dos bombardeamentos -, Raed Saleh, condenou a "natureza indiscriminada" das 'bombas barril' num discurso perante a Organização das Nações Unidas feito a 26 de junho deste ano. 

Os explosivos são largados sobre bairros civis controlados pelos rebeldes, e segundo Saleh "não existe justificação militar para o seu uso", uma vez que por serem lançados manualmente, "quem lança as 'bombas barril' não pode saber onde esta vai cair", tornando-as inúteis para atacar alvos militares precisos, além de "não poderem ser usadas nas linhas da frente, uma vez que podem atingir por erro as forças aliadas". 

Segundo o Observatório Sírio, os bombardeamentos do regime causaram ainda enormes prejuízos materiais nas infraestruturas de diversas áreas do país.

O conflito na Síria já causou mais de 230.000 mortos desde março de 2011, calcula a mesma organização.

 

 

 

 

Lusa

 

  • Negócios do fogo
    22:00
  • "Não podemos gastar o dinheiro e depois os filhos e os netos é que pagam"
    2:05

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no habitual espaço de comentário no Jornal da Noite, o reembolso antecipado ao FMI. O comentador da SIC defendeu que seria mais vantajoso se Portugal reembolsasse mais depressa, antes da subida das taxas de juro. Miguel Sousa Tavares considerou ainda que o reembolso da dívida é uma boa notícia, pois seria "desleal" deixar a dívida para "os filhos e os netos" pagarem.

    Miguel Sousa Tavares

  • Os efeitos da tempestade Ana em Portugal
    1:43
  • Porque têm as tempestades nomes?
    0:49

    País

    As tempestades passaram a ter um nome, partilhado pelos serviços de meteorologia de Portugal, França e Espanha. Nuno Moreira, chefe de divisão de previsão meteorológica do IPMA, foi convidado da Edição da Noite da SIC Notícias para explicar que este método é também uma forma de sinalizar a dimensão das tempestades.

  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59

    Mundo

    A tempestade Ana não causou apenas estragos em Portugal, mas também na Galiza, com a queda de árvores e cheias nas zonas ribeirinhas. No norte da Europa, as baixas temperaturas provocaram fortes nevões e paralisaram a Grã-Bretanha, com voos cancelados, escolas fechadas e estradas cortadas.

  • "De repente ele estava em cima de mim a beijar-me e a apalpar-me"
    2:43