sicnot

Perfil

Mundo

Falso alarme encerra base naval em Washington

Em desenvolvimento

As instalações da Marinha norte-americana em Washington estiveram hoje mais de duas horas encerradas por segurança, depois de relatos de disparos no interior do mesmo edifício onde um atirador solitário matou 12 pessoas há dois anos. As autoridades passaram todo o complexo em revista e não encontraram qualquer indício da existência de um atirador.

© Jonathan Ernst / Reuters

© Jonathan Ernst / Reuters

© Jonathan Ernst / Reuters

A chamada para a linha de emergência deu-se um pouco antes das 8:00 locais (13:00 em Lisboa), dando conta de que havia um atirador dentro da base.

Foram fechadas de imediato as ruas perto da base naval. Várias artérias da capital norte-americana foram submetidas a forte presença policial.

Um porta-voz da polícia confirmou entretanto que não foram encontrados quaiquer indícios de disparos ou da presença de um atirador. A Marinha não adianta mais detalhes.

Considerada a mais antiga instalação da Marinha dos Estados Unidos, construída em 1799, foi local de um tiroteio há dois anos. Em junho de 2013, um atirador solitário matou 12 pessoas e feriu outras três no edifício 197 do complexo. O edifício foi entretanto rebatizado de Humphreys e reabriu este ano.

 

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.