sicnot

Perfil

Mundo

Novos ataques do Boko Haram no nordeste da Nigéria fazem 48 mortos

Presumíveis membros do grupo islamista radical Boko Haram executaram 48 fiéis muçulmanos que faziam a oração da noite, antes de incendiarem duas aldeias vizinhas do nordeste da Nigéria, declararam hoje um deputado da região e testemunhas. 

© Stringer . / Reuters

Na quarta-feira, pelas 20:30 (locais e de Lisboa), um grande grupo de homens armados chegou em motos e carrinhas de caixa aberta a duas aldeias próximas da cidade de Monguno, a 90 quilómetros a norte de Maiduguri. 

"Os homens armados do Boko Haram mataram 48 homens e feriram mais 11 no ataque a duas aldeias vizinhas", disse à agência de notícias francesa AFP Mohammed Tahir, deputado da região no parlamento nigeriano.  

"Eles selecionaram alguns homens de entre a multidão de fiéis, reuniram-nos e fuzilaram-nos, antes de pegarem fogo às duas aldeias, que ficaram completamente destruídas", precisou.

Um sobrevivente confirmou este balanço, a coberto do anonimato. 

"Nós estávamos a fazer as orações da noite. Eles reuniram os homens adultos oriundos das duas aldeias e dispararam sobre nós", declarou à AFP, a partir de Monguno, a oito quilómetros dali, onde procurou refúgio. 

Kwanja Jidda, outro habitante que conseguiu escapar, confirmou também o número de vítimas do ataque. 

Segundo o deputado, os atacantes vinham da região do lago Chade, relativamente perto, onde os rebeldes do Boko Haram se refugiaram quando foram expulsos pelo exército do seu bastião da floresta de Sambisa, mais a sul. 

Este ataque do Boko Haram foi perpetrado poucas horas depois de um outro na mesma região, que fez 97 mortos, entre homens que rezavam em quatro mesquitas e mulheres que estavam nas respetivas casas a preparar o jantar, atingidos a tiro por cerca de 50 homens armados, também segundo testemunhas.

 

 

 

 

 

Lusa

 

  • Jogo entre FC Porto e Mónaco, reencontro de jogadores e técnicos
    1:18
  • 93% das argentinas alvo de assédio sexual na rua

    Mundo

    Um estudo sobre violência nas vias públicas, divulgado esta semana, revela que 93% das mulheres argentinas diz ter sido alvo de algum tipo de assédio sexual na rua, e 80% sente-se insegura no exterior por esse motivo.