sicnot

Perfil

Mundo

Novos ataques do Boko Haram no nordeste da Nigéria fazem 48 mortos

Presumíveis membros do grupo islamista radical Boko Haram executaram 48 fiéis muçulmanos que faziam a oração da noite, antes de incendiarem duas aldeias vizinhas do nordeste da Nigéria, declararam hoje um deputado da região e testemunhas. 

© Stringer . / Reuters

Na quarta-feira, pelas 20:30 (locais e de Lisboa), um grande grupo de homens armados chegou em motos e carrinhas de caixa aberta a duas aldeias próximas da cidade de Monguno, a 90 quilómetros a norte de Maiduguri. 

"Os homens armados do Boko Haram mataram 48 homens e feriram mais 11 no ataque a duas aldeias vizinhas", disse à agência de notícias francesa AFP Mohammed Tahir, deputado da região no parlamento nigeriano.  

"Eles selecionaram alguns homens de entre a multidão de fiéis, reuniram-nos e fuzilaram-nos, antes de pegarem fogo às duas aldeias, que ficaram completamente destruídas", precisou.

Um sobrevivente confirmou este balanço, a coberto do anonimato. 

"Nós estávamos a fazer as orações da noite. Eles reuniram os homens adultos oriundos das duas aldeias e dispararam sobre nós", declarou à AFP, a partir de Monguno, a oito quilómetros dali, onde procurou refúgio. 

Kwanja Jidda, outro habitante que conseguiu escapar, confirmou também o número de vítimas do ataque. 

Segundo o deputado, os atacantes vinham da região do lago Chade, relativamente perto, onde os rebeldes do Boko Haram se refugiaram quando foram expulsos pelo exército do seu bastião da floresta de Sambisa, mais a sul. 

Este ataque do Boko Haram foi perpetrado poucas horas depois de um outro na mesma região, que fez 97 mortos, entre homens que rezavam em quatro mesquitas e mulheres que estavam nas respetivas casas a preparar o jantar, atingidos a tiro por cerca de 50 homens armados, também segundo testemunhas.

 

 

 

 

 

Lusa

 

  • "Nos últimos 14 anos alertámos que este dia iria voltar"
    3:50

    País

    O vice-presidente da Câmara de Mação diz que se sente humilhado com o recurso a meios espanhóis para o combate ao fogo no concelho. Em entrevista à SIC, António Louro, que é também engenheiro florestal, critica os vários governos e afirma que nada disto teria acontecido se tivessem ouvido os apelos desesperados da autarquia depois do incêndio que, em 2003, destruiu grande parte do concelho.

  • Marcelo lembra ditadura para deixar elogios à liberdade de imprensa e separação de poderes
    0:29
  • André Ventura rejeita acusações de xenofobia
    1:27

    País

    O candidato do PSD à Câmara de Loures diz que tocou num tema que as pessoas queriam discutir. Entrevistado na SIC Notícias, André Ventura insiste que as declarações que fez sobre a comunidade cigana não são xenófobas ou racistas.

  • Rajoy nega conhecimento de financiamentos ilegais no PP

    Mundo

    O primeiro-ministro espanhol negou hoje ter conhecimento de um esquema ilegal de financiamento, que envolve vários responsáveis do Partido Popular (PP, direita), que lidera. Durante uma audição no tribunal, Mariano Rajoy garantiu ainda que não aceitou nenhum pagamento ilícito.