sicnot

Perfil

Mundo

ONU diz que eleições no Burundi não foram livres nem credíveis

As eleições legislativas e municipais de segunda-feira no Burundi, marcadas pela violência e boicotadas pela oposição, não foram livres nem credíveis, afirmou hoje um porta-voz da ONU.

© Stringer . / Reuters

"O ambiente geral não foi propício a umas eleições livres, credíveis e inclusivas", disse o porta-voz Farhan Haq.

As eleições realizaram-se na segunda-feira apesar do apelo do secretário-geral da ONU, Ban Ki moon, para que fossem adiadas devido à violência dos últimos meses no país.

A missão de observação eleitoral da ONU afirmou no seu relatório que as eleições se realizaram num contexto de "tensa crise política" e num "clima de medo e intimidação generalizados em partes do país".

"Episódios de violência e explosões precederam, e nalguns casos acompanharam, as atividades do dia das eleições, sobretudo em Bujumbura", a capital, afirmou a missão.

"As liberdades fundamentais de participação, reunião, expressão, opinião e informação sofreram restrições crescentes durante a campanha eleitoral", segundo a missão.

O Conselho de Segurança da ONU reuniu-se hoje para discutir a crise no país e as medidas a tomar, depois de ouvir o relatório de Abdoulaye Bathily, enviado especial da organização ao Burundi.

Bathily manifestou dúvidas quanto à disposição do governo para conversações com a posição para resolver a crise, segundo diplomatas que assistiram à reunião, à porta fechada, citados pela agência France Presse.

O Burundi mergulhou na crise em abril passado, quando o presidente, Pierre Nkurunziza, lançou a campanha para se candidatar a um terceiro mandato de cinco anos consecutivo, desencadeando protestos generalizados duramente reprimidos pela polícia.

A oposição sustenta que a candidatura é inconstitucional e viola o acordo de paz que em 2006 pôs fim a uma guerra civil de 13 anos.

Desde o início da crise, pelo menos 70 pessoas foram mortas e dezenas de milhares refugiaram-se em países vizinhos.

 

 

 

 

Lusa

 

  • " A melhoria das contas públicas não foi feita à custa dos portugueses"
    1:30

    País

    Numa espécie de balaço deste ano e meio de governação, o primeiro-ministro voltou a assinalar voltou a assinalar a redução do défice e as melhorias nas contas públicas. Num jantar com militantes em Coimbra, António Costa garantiu ainda que a "verdadeira reforça do Estado avança até ao final desta legislatura, que é a Descentralização.

  • Passos acusa Governo de "sacudir água do capote"

    País

    O líder do PSD, Pedro Passos Coelho, acusou este sábado o Governo de "sacudir a água do capote" para não assumir a responsabilidade pelo que está a ser decidido, usando uma política de comunicação que considerou ser um "embuste".

  • Quase 200 polícias solidários com agentes acusados
    2:29

    País

    Perto de 200 polícias manifestaram-se este sábado na sede da PSP em Alfragide, em solidariedade com os 18 agentes acusados no processo Cova da Moura. O Sindicato Nacional de Polícia associou-se ao protesto e diz existir um aproveitamento político do caso.

  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.

  • Norte também quer naturismo e praias de nudistas

    País

    O presidente da Turismo do Porto e Norte de Portugal defendeu hoje a criação de praias naturistas legalizadas na região, fazendo a apologia da formação de associações e negando que este seja um destino conservador.