sicnot

Perfil

Mundo

ONU diz que eleições no Burundi não foram livres nem credíveis

As eleições legislativas e municipais de segunda-feira no Burundi, marcadas pela violência e boicotadas pela oposição, não foram livres nem credíveis, afirmou hoje um porta-voz da ONU.

© Stringer . / Reuters

"O ambiente geral não foi propício a umas eleições livres, credíveis e inclusivas", disse o porta-voz Farhan Haq.

As eleições realizaram-se na segunda-feira apesar do apelo do secretário-geral da ONU, Ban Ki moon, para que fossem adiadas devido à violência dos últimos meses no país.

A missão de observação eleitoral da ONU afirmou no seu relatório que as eleições se realizaram num contexto de "tensa crise política" e num "clima de medo e intimidação generalizados em partes do país".

"Episódios de violência e explosões precederam, e nalguns casos acompanharam, as atividades do dia das eleições, sobretudo em Bujumbura", a capital, afirmou a missão.

"As liberdades fundamentais de participação, reunião, expressão, opinião e informação sofreram restrições crescentes durante a campanha eleitoral", segundo a missão.

O Conselho de Segurança da ONU reuniu-se hoje para discutir a crise no país e as medidas a tomar, depois de ouvir o relatório de Abdoulaye Bathily, enviado especial da organização ao Burundi.

Bathily manifestou dúvidas quanto à disposição do governo para conversações com a posição para resolver a crise, segundo diplomatas que assistiram à reunião, à porta fechada, citados pela agência France Presse.

O Burundi mergulhou na crise em abril passado, quando o presidente, Pierre Nkurunziza, lançou a campanha para se candidatar a um terceiro mandato de cinco anos consecutivo, desencadeando protestos generalizados duramente reprimidos pela polícia.

A oposição sustenta que a candidatura é inconstitucional e viola o acordo de paz que em 2006 pôs fim a uma guerra civil de 13 anos.

Desde o início da crise, pelo menos 70 pessoas foram mortas e dezenas de milhares refugiaram-se em países vizinhos.

 

 

 

 

Lusa

 

  • "Não podemos fazer de Lisboa uma cidade para turistas"
    2:44

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite da SIC, o mandato de Fernando Medina na Câmara de Lisboa. O comentador da SIC defendeu que o autarca tem "muitos problemas por resolver" e que a Câmara tem investido "mais na recuperação de zonas em que os lisboetas praticamente não conseguem ir". Sousa Tavares disse ainda que Lisboa não pode ser uma cidade para turistas.

    Miguel Sousa Tavares

  • "Putin é uma ameaça maior do que o Daesh"
    0:24

    Mundo

    O senador norte-americano John McCain atacou Vladimir Putin dizendo que é uma ameaça maior do que o Daesh. O antigo candidato à Casa Branca acusa a Rússia de querer destruir a democracia ao tentar manipular o resultado das presidenciais dos Estados Unidos.

  • "É muito importante ceder à tentação de se abolir a liberdade"
    1:06