sicnot

Perfil

Mundo

ONU diz que eleições no Burundi não foram livres nem credíveis

As eleições legislativas e municipais de segunda-feira no Burundi, marcadas pela violência e boicotadas pela oposição, não foram livres nem credíveis, afirmou hoje um porta-voz da ONU.

© Stringer . / Reuters

"O ambiente geral não foi propício a umas eleições livres, credíveis e inclusivas", disse o porta-voz Farhan Haq.

As eleições realizaram-se na segunda-feira apesar do apelo do secretário-geral da ONU, Ban Ki moon, para que fossem adiadas devido à violência dos últimos meses no país.

A missão de observação eleitoral da ONU afirmou no seu relatório que as eleições se realizaram num contexto de "tensa crise política" e num "clima de medo e intimidação generalizados em partes do país".

"Episódios de violência e explosões precederam, e nalguns casos acompanharam, as atividades do dia das eleições, sobretudo em Bujumbura", a capital, afirmou a missão.

"As liberdades fundamentais de participação, reunião, expressão, opinião e informação sofreram restrições crescentes durante a campanha eleitoral", segundo a missão.

O Conselho de Segurança da ONU reuniu-se hoje para discutir a crise no país e as medidas a tomar, depois de ouvir o relatório de Abdoulaye Bathily, enviado especial da organização ao Burundi.

Bathily manifestou dúvidas quanto à disposição do governo para conversações com a posição para resolver a crise, segundo diplomatas que assistiram à reunião, à porta fechada, citados pela agência France Presse.

O Burundi mergulhou na crise em abril passado, quando o presidente, Pierre Nkurunziza, lançou a campanha para se candidatar a um terceiro mandato de cinco anos consecutivo, desencadeando protestos generalizados duramente reprimidos pela polícia.

A oposição sustenta que a candidatura é inconstitucional e viola o acordo de paz que em 2006 pôs fim a uma guerra civil de 13 anos.

Desde o início da crise, pelo menos 70 pessoas foram mortas e dezenas de milhares refugiaram-se em países vizinhos.

 

 

 

 

Lusa

 

  • Vigília à porta da Autoeuropa contra novo horário
    1:13

    País

    Alguns trabalhadores da Autoeuropa fizeram este domingo uma vigília junto à fábrica, contra a imposição do novo horário de trabalho, que começa em fevereiro. Os trabalhadores estão contra essa obrigatoriedade e dizem que é ilegal porque não cumpre as 35 horas de descanso entre turnos.

  • Krovinovic não joga mais esta época

    Desporto

    O futebolista croata Filip Krovinovic lamentou este domingo a lesão nos ligamentos do joelho direito, sofrida no sábado na receção do Benfica ao Desportivo de Chaves (3-0), assumindo a confiança na conquista do quinto campeonato consecutivo pelo clube.

  • Marco Silva despedido do comando técnico do Watford

    Desporto

    O treinador português Marco Silva deixou o comando técnico do Watford, anunciou o 10.º classificado da Liga inglesa de futebol no seu sítio na Internet. "Foi uma decisão difícil e não foi tomada de ânimo leve. O clube está convencido de que a contratação de Marco Silva foi a correta e não fosse a abordagem indesejada de um rival da 'Premier League', continuaríamos a prosperar sob o seu comando", lê-se no comunicado do clube.

  • Waris estreia-se nos treinos do FC Porto

    Desporto

    O avançado ganês Majeed Waris, emprestado pelos franceses do Lorient, treinou este domingo pela primeira vez com o plantel do FC Porto, anunciou o líder da I Liga portuguesa de futebol no seu sítio oficial na Internet.