sicnot

Perfil

Mundo

Trabalho de crianças sírias atinge proporções alarmantes, alerta ONG

O conflito e a crise humanitária na Síria colocam um número cada vez mais significativo de crianças a trabalhar em condições difíceis de sobrevivência, alertaram hoje a Unicef e a Organização Não Governamental "Save The Children".    

© Stringer . / Reuters

"A crise na Síria reduziu consideravelmente os meios de subsistência das pessoas e empobreceu milhões de famílias na região, o que faz com que o trabalho das crianças atinja níveis críticos", lamentou Roger Hearn, diretor regional da "Save The Children".

O mesmo responsável adiantou que "as crianças trabalham principalmente para sobreviver" e que "isso acontece na Síria e nos países vizinhos, onde são os principais atores económicos".

Segundo um relatório divulgado em Amã, as crianças na Síria contribuem para o orçamento familiar em três quartos das famílias recenseadas, enquanto na Jordânia "quase metade dos filhos de refugiados são o principal sustento da família".  

As crianças mais vulneráveis que trabalham são as que são implicadas em "exploração sexual e atividades ilícitas, bem como na mendicidade organizada e tráfico de menores" acrescenta a mesma fonte.

"O trabalho infantil prejudica o crescimento e o desenvolvimento", sublinhou Peter Salama, diretor regional da Unicef para o Médio Oriente e África do Norte, acrescentando que as crianças trabalham "durante longas horas", com um pequeno salário, "em ambientes extremamente perigosos e insalubres".

No vasto campo de refugiados de Zaatari, no norte da Jordânia, três em cada quatro crianças registaram problemas de saúde no trabalho, segundo o relatório.

Por outro lado, as crianças que trabalham estão "mais suscetíveis a abandonar a escola", aumentando os receios de "uma geração perdida".

Mais de 230.000 pessoas morreram desde o início do conflito na Síria, há quatro anos, que fez deslocar metade população.

  • "É mais um notável tiro no pé de Passos Coelho"
    4:04

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite, a polémica em torno de Pedro Passos Coelho, depois do presidente do PSD ter pedido desculpas por ter "usado informação não confirmada", ao falar na existência de suicídios, depois desmentidos, como consequência da falta de apoio psicológico na tragédia de Pedrógão Grande. Sousa Tavares considera que Passos Coelho deu "mais um tiro no pé" e defende que o líder da oposição "está notoriamente desgastado" e "caminha para uma tragédia eleitoral autárquica".

    Miguel Sousa Tavares

  • Este texto é sobre o bom senso. O bom senso que faltou a Passos Coelho quando, esta manhã, depois de uma visita pelas áreas ardidas de Pedrógão Grande, decidiu falar em suicídios. Passos não se referiu a tentativas, mas sim a atos consumados. Deu certezas. Disse que tinha conhecimento de “pessoas que puseram termo à vida” porque “que não receberam o apoio psicológico que deviam.”

    Bernardo Ferrão

  • Simplex+2017 promete simplificar burocracia
    1:08

    País

    Já está online o novo Simplex+2017, que vai simplificar a vida dos cidadãos, empresas e administração pública. Pagar impostos com cartão de crédito e ter o cartão de cidadão ou a carta de condução no telemóvel são alguns exemplos do que está previsto.

  • Homem fala ao telefone com o filho que pensava estar morto

    Mundo

    Um norte-americano que tinha estado presente no funeral do filho recebeu, 11 dias depois, uma chamada telefónica de um homem que o pôs em contacto... com o filho que havia enterrado semana e meia antes. Tudo por causa de um erro do gabinete de medicina legal.