sicnot

Perfil

Mundo

Uber suspende UberPOP em França

A empresa norte-americana Uber suspendeu esta sexta-feira o seu serviço UberPOP em França, em resposta aos fortes protestos dos taxistas do país e às acusações contra dois dos seus dirigentes. 

A decisão foi tomada "na sequência dos atos de violência das duas últimas semanas", referindo-se às manifestações violentas de taxistas, que incluíram incêndios, bloqueios de estradas e capotamentos de veículos.

A decisão foi tomada "na sequência dos atos de violência das duas últimas semanas", referindo-se às manifestações violentas de taxistas, que incluíram incêndios, bloqueios de estradas e capotamentos de veículos.

© Eduardo Munoz / Reuters

A empresa californiana "decidiu suspender imediatamente o UberPOP em França, enquanto aguarda a decisão do Conselho Constitucional sobre o serviço, que deverá ser feita em setembro", anunciou em comunicado citado pela agência France Presse (AFP). 

A decisão foi tomada "na sequência dos atos de violência das duas últimas semanas", acrescenta, referindo-se às manifestações violentas de taxistas, que incluíram incêndios, bloqueios de estradas e capotamentos de veículos.

A aplicação UberPOP permite o transporte dos utilizadores por condutores não profissionais, que usam os seus carros particulares.

Cerca de 3.000 taxistas ameaçaram ações drásticas na passada semana em Paris e noutras grandes cidades do país para denunciar a "concorrência desleal" dos condutores da UberPOP.

O diretor-geral da Uber France, Thibaud Simphal, e o diretor da Uber para a Europa Ocidental, Pierre-Dimitri Gore-Coty, são acusados de práticas comerciais enganadoras, cumplicidade no exercício ilegal da profissão de taxista e tratamento ilegal de dados informáticos.

Os serviços como o UberPOP são particularmente visados por uma lei francesa de outubro de 2014, que a Uber disputa há vários meses, tendo apresentado duas queixas contra França perante a Comissão Europeia para obter a sua anulação.

Segundo a empresa, cerca de 500.000 pessoas utilizam os seus serviços regularmente em França, sendo a UberPOP "uma fonte importante de rendimentos para mais de 10.000 condutores".

A Uber, fundada em 2009 em São Francisco, nos Estados Unidos, revolucionou o setor dos táxis com a sua popular aplicação de telemóvel e, de acordo com a imprensa norte-americana, a empresa é hoje avaliada em cerca de 50 mil milhões de dólares (45 mil milhões de euros).

Mas a aplicação UberPOP, ilegal segundo o Governo francês, deu à empresa inúmeros problemas com a lei e com os taxistas, e não apenas em França, tendo sido declarada ilegal também na Bélgica e na Holanda.

O primeiro-ministro francês, Manuel Valls, congratulou-se com o anúncio de sexta-feira, vendo-o como "uma demonstração de que a firmeza do Governo deu resultado".

As organizações de taxistas foram contidas nas reações ao anúncio, considerando que este "é satisfatório, mas continuamos atentos e desconfiados"

A Uber "é capaz de criar aplicações similares com outro nome", disse à AFP Séverine Bourlier, secretária-geral da União Nacional dos Táxis.

Lusa

  • "O euro como o conhecemos é uma construção imperfeita"
    1:26

    Economia

    O primeiro-ministro diz que o euro como o conhecemos é uma construção imperfeita e que sem regras iguais para todos não é possível a reforma da moeda única. As declarações de António Costa foram feitas esta terça-feira, em Lisboa, numa conferência intitulada de "Consolidar o Euro. Promover a Convergência".

  • "A Miss Helsínquia é a mulher mais feia que já vi num concurso de beleza"

    Mundo

    Sephora Lindsay Ikabala venceu o concurso Miss Helsínquia 2017 e, desde então, tem vindo a ser insultada e criticada nas redes sociais. A nigeriana de 19 anos vive na cidade desde criança. "A Miss Helsínquia é literalmente a mulher mais feia que já vi num concurso de beleza", é apenas um dos muitos comentários que circula nas redes sociais.

  • As propostas Chanel para a próxima estação
    1:34

    Mundo

    Um dos desfiles mais aguardados do mundo da moda aconteceu esta segunda-feira, em Paris, com as propostas da casa Chanel para a próxima estação primavera/verão. No final do desfile, e pela primeira vez em 30 anos, Karl Lagarfeld não deu nenhuma entrevista à comunicação social.