sicnot

Perfil

Mundo

Uber suspende UberPOP em França

A empresa norte-americana Uber suspendeu esta sexta-feira o seu serviço UberPOP em França, em resposta aos fortes protestos dos taxistas do país e às acusações contra dois dos seus dirigentes. 

A decisão foi tomada "na sequência dos atos de violência das duas últimas semanas", referindo-se às manifestações violentas de taxistas, que incluíram incêndios, bloqueios de estradas e capotamentos de veículos.

A decisão foi tomada "na sequência dos atos de violência das duas últimas semanas", referindo-se às manifestações violentas de taxistas, que incluíram incêndios, bloqueios de estradas e capotamentos de veículos.

© Eduardo Munoz / Reuters

A empresa californiana "decidiu suspender imediatamente o UberPOP em França, enquanto aguarda a decisão do Conselho Constitucional sobre o serviço, que deverá ser feita em setembro", anunciou em comunicado citado pela agência France Presse (AFP). 

A decisão foi tomada "na sequência dos atos de violência das duas últimas semanas", acrescenta, referindo-se às manifestações violentas de taxistas, que incluíram incêndios, bloqueios de estradas e capotamentos de veículos.

A aplicação UberPOP permite o transporte dos utilizadores por condutores não profissionais, que usam os seus carros particulares.

Cerca de 3.000 taxistas ameaçaram ações drásticas na passada semana em Paris e noutras grandes cidades do país para denunciar a "concorrência desleal" dos condutores da UberPOP.

O diretor-geral da Uber France, Thibaud Simphal, e o diretor da Uber para a Europa Ocidental, Pierre-Dimitri Gore-Coty, são acusados de práticas comerciais enganadoras, cumplicidade no exercício ilegal da profissão de taxista e tratamento ilegal de dados informáticos.

Os serviços como o UberPOP são particularmente visados por uma lei francesa de outubro de 2014, que a Uber disputa há vários meses, tendo apresentado duas queixas contra França perante a Comissão Europeia para obter a sua anulação.

Segundo a empresa, cerca de 500.000 pessoas utilizam os seus serviços regularmente em França, sendo a UberPOP "uma fonte importante de rendimentos para mais de 10.000 condutores".

A Uber, fundada em 2009 em São Francisco, nos Estados Unidos, revolucionou o setor dos táxis com a sua popular aplicação de telemóvel e, de acordo com a imprensa norte-americana, a empresa é hoje avaliada em cerca de 50 mil milhões de dólares (45 mil milhões de euros).

Mas a aplicação UberPOP, ilegal segundo o Governo francês, deu à empresa inúmeros problemas com a lei e com os taxistas, e não apenas em França, tendo sido declarada ilegal também na Bélgica e na Holanda.

O primeiro-ministro francês, Manuel Valls, congratulou-se com o anúncio de sexta-feira, vendo-o como "uma demonstração de que a firmeza do Governo deu resultado".

As organizações de taxistas foram contidas nas reações ao anúncio, considerando que este "é satisfatório, mas continuamos atentos e desconfiados"

A Uber "é capaz de criar aplicações similares com outro nome", disse à AFP Séverine Bourlier, secretária-geral da União Nacional dos Táxis.

Lusa

  • Pagaram 10 libras por diamante que vale milhares

    Mundo

    Há 30 anos um comprador adquiriu um anel de diamantes de 26.27 quilates por apenas 10 libras (cerda de 11 euros) numa feira em Isleworth, no oeste Londres. O proprietário passeou durante três décadas com uma peça que valia cerca de 350.000 libras (407.000€) e não sabia. Confessa que até a usava durante as tarefas domésticas.

    SIC

  • Leão-marinho arrasta criança de doca em Vancouver
    0:51

    Mundo

    O momento em que um leão-marinho arrasta uma menina para a água foi gravado e publicado na internet. Sem nada que fizesse prever, o animal puxou a criança que estava sentada numa doca em Vancouver, no Canadá. A criança foi resgatada de imediato por um familiar e apesar do susto não sofreu ferimentos. O momento de aflição foi testemunhado por vários turistas.

  • Caçador morre esmagado por elefante

    Mundo

    Um famoso caçador morreu na sexta-feira após ser esmagado por um elefante quando estava a caçar. A morte foi confirmada pelas autoridades do Zimbabué, que adiantaram ainda que o animal foi morto por um dos caçadores do grupo de Theunis Botha.