sicnot

Perfil

Mundo

Jihadistas matam pela primeira vez um clérigo opositor do Governo iraquiano

O grupo terrorista autoproclamado Estado Islâmico (EI) assassinou hoje pela primeira vez um clérigo muçulmano opositor do Governo iraquiano, na cidade de Mossul, segundo um responsável local.

© Suhaib Salem / Reuters

O vice-governador da província de Ninive, cuja capital é Mossul, Hasan al Alaf, disse em declarações à agência Efe que Yaser Yunes foi assassinado dois dias depois de ser sequestrado em sua casa pelo grupo EI.

O cadáver foi depositado no instituto forense com feridas de bala na cabeça.

Yaser Yunes era membro do Conselho de Ulemas e pregadores de Ninive, composto por clérigos de mesquitas pertencentes a correntes salafistas moderadas, que faz oposição à ideologia extremista da EI.

A organização terrorista terá proposto a Yaser Yunes que anunciasse a lealdade à EI, mas este recusou.

O clérigo foi quem disse o sermão sobre a primeira manifestação da campanha de protestos que começou a partir das mesquitas de Mossul e de outras províncias predominantemente sunitas no final de 2011 contra o então Governo do primeiro-ministro iraquiano, Nuri al-Maliki.

No seu discurso, na mesquita Al Hamedin, no centro de Mossul, Yaser Yunes criticou as práticas do Governo iraquiano na época.

O EI prendeu em agosto de 2014 mais de 25 clérigos e proibiu mais de 50 de dizerem os sermões de sexta-feira à comunidade.

A organização jihadista ocupou Mossul a 10 de junho do ano passado depois de conquistar amplas zonas do Iraque norte e oeste, onde declarou um califado no território sob seu controle.

 

 

 

Lusa

 

  • "Quem não deve não teme"

    Football Leaks

    O futebolista português Cristiano Ronaldo, questionado sobre a sua alegada fuga ao fisco veiculada pela investigação "Football Leaks", disse que "quem não deve não teme", numa reação difundida esta quinta-feira pela rádio espanhola Onda Cero.

  • Hospitais já registam picos de afluência apesar de casos de gripe serem ainda poucos
    2:13

    País

    A gripe ainda não chegou em força, mas nos últimos dias foram vários os hospitais com grande afluências de doentes, sobretudo idosos e com infeções respiratórias. Em alguns dias desta semana o número de doentes disparou para mais de 600, como disse à SIC o presidente do Conselho de Administração do Centro Hospitalar Universitário de Coimbra.

  • Cerca de 150 civis doentes retirados de Alepo

    Mundo

    Cerca de 150 civis, a maioria doentes ou deficientes, foram retirados na noite de quarta-feira para quinta-feira de um centro de saúde de Aleppo, na parte mais antiga da cidade tomada pelo exército sírio, anunciou a Cruz Vermelha internacional.