sicnot

Perfil

Mundo

Moçambique declara guerra aos sacos plásticos e consumidores aplaudem

A Associação de Defesa do Consumidor de Moçambique (DECOM) considera pertinente a decisão do Governo moçambicano de proibir o uso do saco de plástico reciclado no manuseamento de alimentos, mas defende que a medida não deve encarecer os preços.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Mike Blake / Reuters

"É uma medida acertada e pertinente, porque avança no sentido de combater os efeitos nefastos para a saúde e para o ambiente do plástico reciclado que circula em Moçambique, mas o nosso princípio fundamental é de que esse tipo de medidas não deve agravar os preços ao consumidor", disse, em declarações à Lusa, o presidente da DECOM, Mouzinho Nicols.

Reiterando que a decisão é oportuna, Nicols realçou que o decreto governamental não deve levar os vendedores a entregar produtos sem a respetiva embalagem, com o argumento da interdição do saco plástico reciclado.

"É importante que se avance rapidamente para a substituição das embalagens proibidas por recipientes feitos à base de outro tipo de materiais recomendáveis", destacou o presidente da DECOM.

Por seu turno, o ambientalista moçambicano Carlos Serra também aplaudiu a medida, considerando que vai diminuir o impacto pernicioso do saco plástico reciclado sobre a saúde e ambiente.

"Estamos felizes, porque é uma medida que responde à preocupação em relação aos enormes danos causados por embalagens de plástico que circulam nas cidades do país", assinalou Carlos Serra, que recentemente liderou uma operação de limpeza para remover toneladas de lixo de algumas das principais praias do país.

O ambientalista congratulou-se com esta decisão por incentivar a produção de embalagens biodegradáveis e a retomada do hábito do uso de cesto de palha nas cidades moçambicanas.

"É uma medida fácil de aplicar, porque também ataca o problema pelo lado da produção e importação, ao impor restrições na produção de plásticos com uma determinada espessura e ao taxar a utilização do plástico reciclado", frisou Serra.

O Governo moçambicano anunciou na terça-feira a proibição do uso de sacos de plástico reciclado como recipientes de alimentos, considerando que constitui um atentado à saúde pública e provoca danos ao ambiente.

Em conferência de imprensa no final da sessão semanal do Conselho de Ministros, o porta-voz do órgão, Mouzinho Saíde, afirmou que a proliferação de sacos de plástico nas cidades moçambicanas, principalmente em Maputo, também é responsável pelo entupimento de valas de drenagens e pela contaminação do mar.

"Os sacos de plástico têm causado múltiplos problemas, como o entupimento de valas de drenagem", afirmou Saíde, que é também vice-ministro da Saúde de Moçambique.

O executivo, adiantou Mouzinho Saíde, pretende tributar os sacos de plástico reciclado e imputar o custo aos consumidores, como forma de desencorajar o seu uso.

"O nosso Governo vai controlar e impor taxas à produção e importação de sacos de plástico e como alternativa vai promover o uso de sacos e cestos feitos de papel, cartão e de outros materiais biodegradáveis", assinalou o porta-voz do Conselho de Ministros de Moçambique.

 

 

 

Lusa

 

  • "Às vezes o senhor primeiro-ministro irrita-me um bocadinho"
    2:05

    País

    O Presidente da República disse esta quinta-feira de manhã que António Costa é "irritantemente otimista" por teimar em "ver violeta-rosa onde há roxo". Marcelo Rebelo de Sousa recordou ainda Mário Soares numa aula no Colégio Moderno, em Lisboa.

  • Montenegro nunca será candidato contra Passos
    0:50
  • Cientistas testam útero artificial em cordeiros prematuros

    Mundo

    Um grupo de cientistas desenvolveu um útero artificial - o Biobag - que se assemelha a uma bolsa de plástico e que ajuda no desenvolvimento de cordeiros prematuros. O método foi testado nestes animais mas os cientistas do Hospital Pediátrico de Filadélfia, nos Estados Unidos, garantem que poderá vir a ser utilizado também em bebés que nascem prematuros.

  • Exame ao sangue descobre cancro um ano antes do reaparecimento

    Mundo

    Uma equipa de investigadores britânicos descobriu uma maneira de identificar o regresso do cancro, com um ano de antecedência. Através de um exame ao sangue, a equipa conseguiu identificar os primeiros sinais da doença, uma série de células invisíveis ao raio-X e à TAC. A descoberta pode vir a permitir tratar o cancro mais cedo e, como resultado, poderá aumentar as chances de o curar.

  • Casados há 69 anos, morrem de mãos dadas com 40 minutos de diferença

    Mundo

    Isaac Vatkin, de 91 anos, morreu cerca de 40 minutos depois de Teresa, de 89 anos, no passado sábado no Highland Park Hospital, no estado norte-americano Ilinóis. "Não queríamos que fossem embora, mas não podíamos pedir que partíssem de melhor maneira", afirmou o neto William Vatkin. O casal morreu no hospital poucos dias depois de celebrarem 69 anos de casados.

  • Trump cria linha de apoio a vítimas de "extraterrestres criminosos"

    Mundo

    Quando o Governo norte-americano usa o termo "extraterrestre criminoso", refere-se a alguém que não é cidadão dos Estados Unidos da América e que foi condenado por um crime. Quando a mesma expressão é usada pelos utilizadores do Twitter, o significado é completamente diferente. Os internautas pensam na série Ficheiros Secretos e em discos voadores. Por isso, o lançamento de uma linha telefónica, por parte da Casa Branca, para as vítimas de "extraterrestres criminosos" só podia dar em confusão.