sicnot

Perfil

Mundo

Tunísia decreta estado de emergência, oito dias depois de atentado

O chefe de Estado da Tunísia, Béji Caïd Essebsi, decretou hoje o estado de emergência, oito dias depois do atentado que provocou a morte de 38 turistas num hotel à beira-mar, disse hoje fonte da presidência.

Polícia tunisina com um suspeitos dos ataques em Sousse.

Polícia tunisina com um suspeitos dos ataques em Sousse.

Med amine ben aziza/EPA

"O presidente decretou o estado de emergência e vai dirigir uma mensagem à população às 17:00" [mesma hora em Lisboa], disse à AFP fonte do gabinete de comunicação da presidência.

O estado de emergência, que confere poderes de exceção à polícia e às forças armadas, foi levantado na Tunísia em 2014, depois de ter permanecido em vigor desde janeiro de 2011, relacionado com a fuga do Presidente Zine El Abidine Ben Ali, e a agitação que lançou "a primavera árabe". 

Desde a sua revolução, a Tunísia enfrenta a progressão do movimento jihadista, responsável pela morte de dezenas de polícias e militares, e, em três meses, o país foi atingido por dois atentados reivindicados pelo movimento Estado Islâmico.

Foram 59 os turistas estrangeiros que morreram, 21 deles no Museu Bardo, em Tunis, e 38 no hotel em Port El Kantaoui, a 26 de junho.

 

 

 

 

Lusa

 

  • Mais de 1600 ações de fiscalizações a IPSS em dois anos
    1:05

    Expresso da Meia Noite

    Nos últimos dois anos, o Estado efetuou mais de 1600 ações de fiscalização a Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS) das quais resultaram mais de 70 destituições e 80 participações ao Ministério Público (MP). Os números foram avançados pela secretária de Estado da Segurança Social, Cláudia Joaquim, no programa Expresso da Meia-noite, na SIC Notícias.

  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • Pedrógão Grande, seis meses depois - documentário Expresso
    0:29
  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23
  • Ilhas Selvagens são um tesouro no Atlântico que é preciso preservar
    2:33