sicnot

Perfil

Mundo

Wikileaks divulga nomes de membros do governo brasileiro espiados pela NSA

O portal da Internet WikiLeaks publicou hoje o nome de 29 membros do governo brasileiro liderado pela Presidente Dilma Rousseff que foram espiados pela agência de informações norte-americana NSA.

© Tim Chong / Reuters

A revelação surge poucos dias depois de Dilma Rousseff se ter encontrado em Washington com o Presidente dos Estados Unidos da América, Barack Obama, precisamente para acabar com as tensões em torno da espionagem da NSA.

De acordo com a Wikileaks, a agência espiou os governantes no começo do primeiro mandato de Dilma, em 2011, e Julian Assange, fundador do portal, diz que os dados hoje apresentados confirmam que os Estados Unidos "têm um longo caminho para demonstrar que a vigilância aos governos amigos terminou".

Entre os escutados pela NSA estão a Presidente do Brasil mas também, por exemplo, o seu antigo chefe da Casa Civil, Antonio Palocci, e o antigo ministro das Relações Exteriores do país, Luiz Alberto Figueiredo Machado.

A Presidente brasileira acabou na quinta-feira, em São Francisco, uma visita oficial de cinco dias aos Estados Unidos, durante a qual se encontrou com empresários, executivos e com o homólogo Barack Obama.

O ponto alto da visita de Rousseff aos Estados Unidos ocorreu na terça-feira, com a reunião bilateral com Obama, por si classificada como o "relançamento" das relações entre os países, dois anos após as denúncias de espionagem terem causado o cancelamento de sua viagem para aquele país.

 

 

 

 

Lusa

 

  • 10 Minutos com Ana Catarina Mendes
    10:28

    10 Minutos

    A secretária geral adjunta do PS diz que não percebe porque é que o PSD levou tanto tempo a escolher o candidato à Câmara de Lisboa. Em entrevista no 10 Minutos da SIC Noticias, Ana Catarina Mendes considerou ainda que Pedro Passos Coelho não tem estado à altura de um líder da oposição. Quanto às legislativas, entende que o PS deve concorrer sozinho às eleições.

    Entrevista na íntegra

  • Prisão preventiva para marroquino suspeito de apoiar o Daesh

    País

    O juiz do Tribunal Central de Instrução Criminal impôs esta quinta-feira prisão preventiva ao cidadão marroquino, detido na Alemanha e entregue a Portugal, suspeito de adesão e apoio ao grupo extremista Daesh e recrutamento e financiamento ao terrorismo.

  • "A isto chama-se pura hipocrisia"
    1:13

    Caso CGD

    Pedro Passos Coelho classifica a atuação do Governo na gestão da Caixa Geral de Depósitos como um "manual de cinismo político insuportável", declarações feitas pelo líder do PSD durante a reunião do Conselho Nacional em Lisboa.