sicnot

Perfil

Mundo

Wikileaks divulga nomes de membros do governo brasileiro espiados pela NSA

O portal da Internet WikiLeaks publicou hoje o nome de 29 membros do governo brasileiro liderado pela Presidente Dilma Rousseff que foram espiados pela agência de informações norte-americana NSA.

© Tim Chong / Reuters

A revelação surge poucos dias depois de Dilma Rousseff se ter encontrado em Washington com o Presidente dos Estados Unidos da América, Barack Obama, precisamente para acabar com as tensões em torno da espionagem da NSA.

De acordo com a Wikileaks, a agência espiou os governantes no começo do primeiro mandato de Dilma, em 2011, e Julian Assange, fundador do portal, diz que os dados hoje apresentados confirmam que os Estados Unidos "têm um longo caminho para demonstrar que a vigilância aos governos amigos terminou".

Entre os escutados pela NSA estão a Presidente do Brasil mas também, por exemplo, o seu antigo chefe da Casa Civil, Antonio Palocci, e o antigo ministro das Relações Exteriores do país, Luiz Alberto Figueiredo Machado.

A Presidente brasileira acabou na quinta-feira, em São Francisco, uma visita oficial de cinco dias aos Estados Unidos, durante a qual se encontrou com empresários, executivos e com o homólogo Barack Obama.

O ponto alto da visita de Rousseff aos Estados Unidos ocorreu na terça-feira, com a reunião bilateral com Obama, por si classificada como o "relançamento" das relações entre os países, dois anos após as denúncias de espionagem terem causado o cancelamento de sua viagem para aquele país.

 

 

 

 

Lusa

 

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras