sicnot

Perfil

Mundo

Bombardeamentos da coligação internacional no Iémen fazem mais de 100 mortos

Mais de 100 pessoas, na sua maioria civis, morreram hoje e dezenas ficaram feridas num bombardeamento da coligação internacional, liderada pela Arábia Saudita, no norte e sul do Iémen.

© Khaled Abdullah Ali Al Mahdi

Os bombardeamentos visavam zonas nas mãos dos rebeldes huthis, segundo informou a agência noticiosa Saba, citada pela Efe, que refere também relatos de testemunhas na província de Amaran, no norte, e em Lahesh, no sul.

Em Amran, 40 pessoas morreram, incluindo mulheres e crianças, num bombardeamento que atingiu o mercado, segundo a Saba, observando que quase todas as vítimas eram vendedores ou clientes. Uma testemunha disse à Efe que o ataque visava um veículo de huthis que passava na zona.

Outro ataque aéreo semelhante, também em Amran, em Al Salata, causou a morte de dezenas de civis.

Na província de Lahesh, mais de 50 pessoas foram mortas e dezenas de outras ficaram feridas, num outro mercado, este de gado, na zona de Fayush.

Na capital, uma outro bombardeamento destruiu a sede do gabinete político do movimento huthi no bairro de Al Yaraf, disseram testemunhas.

 

 

 

 

 

Lusa

  • Confirmados dois novos casos de legionella

    Legionella

    Dois novos casos de legionella foram esta quarta-feira confirmados. A informação foi avançada em comunicado pela Direção-Geral da Saúde. Tratam-se de duas pessoas com mais de 80 anos, internadas no Hospital São Francisco Xavier e no Egas Moniz, ambas em situação clínica estável.

  • Quem é o novo Presidente do Zimbabué?
    2:15

    Mundo

    Emmerson Mnangagwa é o sucessor de Robert Mugabe que regressou esta quarta-feira da África do Sul, onde estava refugiado. No primeiro discurso, o Presidente do Zimbabué falou de uma nova democracia no país. Mnangagwa, conhecido como crocodilo, é suspeito de atrocidades na guerra civil pós-independência. 

  • Diminuem as hipóteses de salvar os tripulantes a bordo do submarino argentino
    3:09

    Mundo

    As hipóteses de salvar os tripulantes a bordo do submarino argentino, desaparecido há 8 dias, começaram a diminuir, uma vez que o chamado "tempo de segurança" já foi ultrapassado. A Marinha portuguesa está a acompanhar o caso do submarino que está desaparecido há oito dias. As hipóteses de salvar os tripulantes vão diminuindo.

  • Comprar um carro em segunda mão sem ser enganado 
    8:44
  • O que aprendemos com secas anteriores?
    32:50