sicnot

Perfil

Mundo

Dalai lama festeja 80 anos na Califórnia

Milhares de simpatizantes e manifestantes juntaram-se do domingo ao dalai lama em Anaheim, Califórnia, Estados Unidos, no arranque de três dias de festividades para celebrar os 80 anos do líder espiritual tibetano.

MIKE NELSON

O dalai lama, convidado de honra de uma 'cimeira mundial da compaixão', discursou perante 18.000 pessoas, afirmando que toda a gente tem a capacidade de sentir compaixão, incluindo os extremistas violentos.

"Vimos todos da nossa mãe. Todos temos uma experiência profunda, todos compreendemos a reação maternal. Alguns, incluindo aqueles a quem chamamos terroristas (...) têm também a capacidade de sentir compaixão", declarou.

"Certas pessoas que exploram o ódio... Se exprimirmos uma mensagem de amor, uma mensagem de compaixão para com essas pessoas... elas vão perceber que a paz é a única maneira de a humanidade sobreviver", disse o dalai lama.

Este encontro é "uma feliz oportunidade para as pessoas se juntarem e celebrarem a vida e as obras de Sua Santidade", disse Tenzin Dhonden, fundador da associação "Amigos do dalai lama".

Os bilhetes para as festividades em Anaheim foram vendidos por valores entre os 35 e os 180 dólares (entre 31 e 163 euros). As festividades prosseguem em Irvine, onde os bilhetes chegam aos 93 dólares (84 euros).

O líder espiritual já celebrou uma vez o seu aniversário na Índia, há duas semanas: nasceu a 06 de julho mas o seu aniversário oficial, baseado no calendário lunar tibetano, calhou a 21 de junho.

O dalai lama, galardoado em 1989 com o Prémio Nobel da Paz, vive exilado na Índia, na sequência de uma frustrada rebelião contra a administração chinesa, há 56 anos.

Situada na cordilheira dos Himalaias, a atual Região Autónoma do Tibete, com apenas três milhões de habitantes, ocupa uma área cerca de 14 vezes maior que Portugal.

A China considera que a região é, desde há séculos, parte do seu território, enquanto os locais argumentam que o Tibete foi durante muito tempo virtualmente independente, até à sua ocupação pelas tropas chinesas em 1951.

 

Lusa

  • Marcar cedo e resistir (ou como Portugal venceu Marrocos)

    Mundial 2018 / Portugal

    A seleção nacional alcançou hoje a primeira vitória no Mundial 2018, frente a Marrocos, em Moscovo. Cristiano Ronaldo (outra vez) marcou logo aos quatro minutos. Depois, Portugal pouco mais fez senão aguentar as investidas dos marroquinos, que ficam desde já afastados dos oitavos de final.

  • Fernando Santos dá um puxão de orelhas à equipa
    1:57
  • E vão quatro de Ronaldo
    1:58
  • Ronaldo, o motivador
    3:23
  • Os "memes" do desempenho de Cristiano Ronaldo frente a Marrocos
    1:25
  • Cristiano Ronaldo: o melhor do jogo, o melhor do Mundial, o melhor do mundo

    Mundial 2018 / Portugal

    Apesar da prestação de Rui Patrício na defesa da baliza lusa, Cristiano Ronaldo foi eleito o homem do jogo, pela segunda vez consecutiva, depois de marcar o golo que deu a vitória a Portugal frente a Marrocos. O capitão português ofereceu à equipa os três pontos essenciais para a eventual passagem aos oitavos de final. Mas Ronaldo não fica por aqui. Contas feitas, CR7 é o melhor marcador do Mundial (4 golos em 2 jogos) e já marcou 85 golos por Portugal, feito nunca antes alcançado nem por Eusébio nem por Pauleta. No auge dos 33 anos, há quem diga que Ronaldo "é como o vinho do Porto". Será que ainda vai chegar à marca dos 100? Parece que, para o CR7, nada é impossível.

  • Parecia que Rui Patrício tinha cola nas luvas
    5:40
  • Os momentos descontraídos dos jogadores que estão no Mundial
    1:54
  • Selecionador de Marrocos queixa-se da arbitragem
    1:41
  • Georgina Rodriguez assistiu ao jogo de Portugal e acenou a Ronaldo
    1:05
  • Ronaldo no País dos Sovietes: O humor russo
    1:32
  • Schulz responde a Trump: "é um especialista em estatísticas criminais"

    Mundo

    "Donald Trump é um especialista em estatísticas criminais: pagamentos a estrelas porno, contactos ilegais com russos e diretores de campanha presos". Foi assim que o deputado alemão Martin Schulz respondeu ao Presidente norte-americano, depois de este ter afirmado várias vezes que a criminalidade na Alemanha aumentou devido à imigração.

    SIC

  • "Vou pedir a alguém que dê esta notícia por mim". Jornalista emociona-se com o caso dos bebés mexicanos separados das famílias
    0:49