sicnot

Perfil

Mundo

Obama garante que coligação internacional vai intensificar luta contra o Estado Islâmico

O Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, afirmou hoje que a coligação internacional, liderada por Washington está decidida a intensificar a luta contra o autointitulado grupo Estado Islâmico (EI) na Síria.

SEDAT SUNA

O Presidente norte-americano reiterou que a campanha contra os 'jihadistas' levará "algum tempo".

"Estamos a intensificar os esforços contra as bases do EI na Síria", afirmou Obama numa declaração no Pentágono.

"Os ataques aéreos continuam a visar instalações de petróleo e gás, que financiam muitas das operações do EI. Temos como objetivo a direção e infraestruturas do EI na Síria", precisou.

Nos últimos dias, a coligação liderada pelos norte-americanos levou a cabo ataques aéreos sem precedentes sobre Raqa, a capital de facto do grupo EI na Síria, danificando infraestrutura usadas por 'jihadistas'. 

Os ataques causaram a morte a pelo menos 30 pessoas, segundo o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH), noticia a AFP.

De acordo com o secretário de Defesa dos Estados Unidos, Ashton Carter, o bombardeamento efetuado pelos Estados Unidos visa apoiar os avanços das forças curdas.

"Durante o ano passado, vimos, que com um parceiro eficaz no Terreno, o EI pode ser repelido", disse Obama, que referiu a reconquista, em final de março, da cidade de Tikrit, no norte Iraque.

Sublinhando que a coligação internacional, tinha já realizado mais de 5.000 ataques aéreos no Iraque e na Síria, o Presidente norte-americano assegurou que foram eliminados "milhares de combatentes, incluindo altos responsáveis do EI".

"Não vai ser rápido. Esta é uma campanha a longo prazo", disse, prevendo "avanços", mas também "contratempos".

"As fraquezas estratégicas do EI são reais", disse ele, referindo que os 'jihadistas' ultrarradicais não têm qualquer força aérea, nem contam com o apoio de qualquer país, e "criaram com a sua brutalidade um ressentimento real entre as populações que controlam".

 

 

 

 

 

Lusa

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras