sicnot

Perfil

Mundo

Obama garante que coligação internacional vai intensificar luta contra o Estado Islâmico

O Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, afirmou hoje que a coligação internacional, liderada por Washington está decidida a intensificar a luta contra o autointitulado grupo Estado Islâmico (EI) na Síria.

SEDAT SUNA

O Presidente norte-americano reiterou que a campanha contra os 'jihadistas' levará "algum tempo".

"Estamos a intensificar os esforços contra as bases do EI na Síria", afirmou Obama numa declaração no Pentágono.

"Os ataques aéreos continuam a visar instalações de petróleo e gás, que financiam muitas das operações do EI. Temos como objetivo a direção e infraestruturas do EI na Síria", precisou.

Nos últimos dias, a coligação liderada pelos norte-americanos levou a cabo ataques aéreos sem precedentes sobre Raqa, a capital de facto do grupo EI na Síria, danificando infraestrutura usadas por 'jihadistas'. 

Os ataques causaram a morte a pelo menos 30 pessoas, segundo o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH), noticia a AFP.

De acordo com o secretário de Defesa dos Estados Unidos, Ashton Carter, o bombardeamento efetuado pelos Estados Unidos visa apoiar os avanços das forças curdas.

"Durante o ano passado, vimos, que com um parceiro eficaz no Terreno, o EI pode ser repelido", disse Obama, que referiu a reconquista, em final de março, da cidade de Tikrit, no norte Iraque.

Sublinhando que a coligação internacional, tinha já realizado mais de 5.000 ataques aéreos no Iraque e na Síria, o Presidente norte-americano assegurou que foram eliminados "milhares de combatentes, incluindo altos responsáveis do EI".

"Não vai ser rápido. Esta é uma campanha a longo prazo", disse, prevendo "avanços", mas também "contratempos".

"As fraquezas estratégicas do EI são reais", disse ele, referindo que os 'jihadistas' ultrarradicais não têm qualquer força aérea, nem contam com o apoio de qualquer país, e "criaram com a sua brutalidade um ressentimento real entre as populações que controlam".

 

 

 

 

 

Lusa

  • As IPSS são estruturantes no país. Fazem o que Estado não faz porque não pode, não quer, ou não chega a tudo. Chama-se sociedade civil a funcionar. E o Estado subsidia, ajuda, (com)participa, apoia. Nada contra. A questão é quando as IPSS e outras instituições, fundações, associações, federações e quejandas se tornam verdadeiras "indústrias".

    Pedro Cruz

  • O ano "saboroso" de António Costa
    0:51

    País

    António Costa diz que 2017 foi um ano "saboroso" para Portugal. Num encontro com funcionários portugueses, em Bruxelas, antes do Conselho Europeu desta quinta-feira, o primeiro-ministro realçou o que o país conquistou no último ano, no plano europeu, e que culminou com a eleição de Mário Centeno para a Presidência do Eurogrupo.

  • Lince ibérico esteve à venda no OLX

    País

    Um anúncio de venda de um lince ibérico, por 1.500 euros, foi publicado esta semana no site de classificados OLX, com uma morada de Alcoutim, no Algarve. A autenticidade da publicação não foi confirmada, mas em setembro foi encontrada a coleira de um lince ibérico precisamente em Alcoutim. As autoridades estão a investigar.

    SIC

  • Estabilização dos solos nas áreas ardidas
    1:58

    País

    Está a começar uma intervenção de emergência para estabilizar os solos nas áreas ardidas nos incêndios florestais. O trabalho das equipas que estão no terreno arrancou na zona da Lousã mas vai passar por vários concelhos como Pampilhosa da Serra e Vila Real.