sicnot

Perfil

Mundo

Obama garante que coligação internacional vai intensificar luta contra o Estado Islâmico

O Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, afirmou hoje que a coligação internacional, liderada por Washington está decidida a intensificar a luta contra o autointitulado grupo Estado Islâmico (EI) na Síria.

SEDAT SUNA

O Presidente norte-americano reiterou que a campanha contra os 'jihadistas' levará "algum tempo".

"Estamos a intensificar os esforços contra as bases do EI na Síria", afirmou Obama numa declaração no Pentágono.

"Os ataques aéreos continuam a visar instalações de petróleo e gás, que financiam muitas das operações do EI. Temos como objetivo a direção e infraestruturas do EI na Síria", precisou.

Nos últimos dias, a coligação liderada pelos norte-americanos levou a cabo ataques aéreos sem precedentes sobre Raqa, a capital de facto do grupo EI na Síria, danificando infraestrutura usadas por 'jihadistas'. 

Os ataques causaram a morte a pelo menos 30 pessoas, segundo o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH), noticia a AFP.

De acordo com o secretário de Defesa dos Estados Unidos, Ashton Carter, o bombardeamento efetuado pelos Estados Unidos visa apoiar os avanços das forças curdas.

"Durante o ano passado, vimos, que com um parceiro eficaz no Terreno, o EI pode ser repelido", disse Obama, que referiu a reconquista, em final de março, da cidade de Tikrit, no norte Iraque.

Sublinhando que a coligação internacional, tinha já realizado mais de 5.000 ataques aéreos no Iraque e na Síria, o Presidente norte-americano assegurou que foram eliminados "milhares de combatentes, incluindo altos responsáveis do EI".

"Não vai ser rápido. Esta é uma campanha a longo prazo", disse, prevendo "avanços", mas também "contratempos".

"As fraquezas estratégicas do EI são reais", disse ele, referindo que os 'jihadistas' ultrarradicais não têm qualquer força aérea, nem contam com o apoio de qualquer país, e "criaram com a sua brutalidade um ressentimento real entre as populações que controlam".

 

 

 

 

 

Lusa

  • Rúben Lima nega crimes de corrupção no processo Cashball
    6:04

    Desporto

    Rúben Lima, um dos oito jogadores suspeitos de terem sido aliciados por intermediários ao serviço do Sporting para beneficiar o clube de Alvalade, nega todos os crimes investigados pela Polícia Judiciária. Numa entrevista exclusiva à SIC, o jogador do Moreirense garante que não conhece nenhum dos quatro arguidos detidos no âmbito do processo Cashball.

    Exclusivo SIC

  • Partido Podemos com votação inédita em Espanha
    1:32

    Mundo

    Há uma votação inédita em Espanha. O Podemos começou esta terça-feira a decidir a continuidade do líder do partido, depois de Pablo Iglesias e a companheira terem comprado uma casa de 600 mil euros.

  • 14 sacerdotes suspensos por abusos sexuais no Chile

    Mundo

    A diocese da cidade chilena de Rancagua anunciou na terça-feira a suspensão de 14 sacerdotes implicados num novo escândalo de abusos sexuais sobre jovens e menores. Todos eles pertenciam a um grupo de se autointitulou de "La Familia", segundo a investigação jornalística.