sicnot

Perfil

Mundo

UNESCO denuncia que 124 milhões de crianças e adolescentes não têm acesso à escola

Cerca de 124 milhões de crianças e adolescente a nível mundial não têm acesso à escola, quando a ajuda internacional à educação continua abaixo dos níveis de 2010, denunciou a UNESCO num relatório hoje divulgado.  

© Yves Herman / Reuters

De acordo com o Relatório de Observação Global da Educação para Todos, uma publicação independente autorizada pela UNESCO, o número de crianças e adolescentes que nunca entraram numa sala de aula "aumentou para níveis preocupantes" nos últimos anos.

Dos cerca de 24 milhões de crianças nesta condição, as mais desfavorecidas são raparigas, sendo que, só no sudoeste asiático, 80% dos menores suscetíveis de continuarem fora da escola são do sexo feminino, em comparação com 16% dos rapazes, refere o estudo.

Face aos resultados do estudo, a diretora geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO), Irina Bokova, apelou aos países para que "assumam compromissos sérios" no sentido de aumentar a ajuda à educação. 

A responsável da agência da ONU considerou que caso a ambiciosa meta traçada pela comunidade internacional, de garantir o acesso livre e equitativo da qualidade de educação por 12 anos, não seja cumprida, a iniciativa poderá "permanecer indescritível para milhões de crianças e jovens" afetados.  

Também o diretor do Relatório de Observação Global, Aaron Benavot, considerou que "a menos que os doadores levem a sério a questão do financiamento, as metas e as promessas de progresso não são suscetíveis de serem cumpridas". 

Aaron Benavot destacou que, apesar de ter havido um aumento de 6% na ajuda à educação, os níveis de investimento são 4% mais baixo hoje do que em 2010 e há risco de estagnação nos próximos anos. 

A UNESCO estima que são necessários 35 mil milhões de euros para garantir a educação gratuita para todos em países em subdesenvolvimento e assinala que, para colmatar o défice, os doadores devem aumentar seis vezes a sua ajuda para o setor.

Lusa

  • O percurso dos rendimentos de Ronaldo
    3:43

    Desporto

    O Ministério das Finanças espanhol abriu uma investigação a Cristiano Ronaldo, por eventuais irregularides na declaração dos rendimentos da publicidade. A Gestifute, empresa do agente do avançado do Real Madrid, garante que Ronaldo tem os impostos em dia. A investigação aos documentos extraídos da plataforma informática Football Leaks, liderada pela revista alemã Der Spiegel, e da qual faz parte o jornal Expresso, conseguiu traçar o percurso dos rendimentos do melhor jogador do mundo.

  • Fábio Coentrão investigado por suspeita de delitos fiscais
    3:37

    Desporto

    O Ministério Público de Madrid acusou o defesa português Ricardo Carvalho de evasão fiscal e está a investigar Fábio Coentrão por eventuais delitos fiscais. Além dos dois portugueses a justiça acusou ainda o espanhol Xabi Alonso, o argentino Ángel Di María e investiga o colombiano Falcão. As investigações surgem depois da revelação do caso Football Leaks, investigada pelo Expresso e pelo consórcio europeu de jornalistas que tiveram acesso a milhões de documentos.

  • Votações sobre o mapa judiciário geram tensão no Parlamento
    2:01

    País

    O momento das votações no Parlamento ficou marcado por alguma tensão. Depois de aprovadas, em comissão, as alterações ao mapa judiciário, o PSD opôs-se a que o diploma fosse votado em plenário, uma vez que não fazia parte da versão inicial do guião de votações. A esquerda acusou os sociais-democratas de terem motivações estritamente políticas e não regimentais.

  • Uma alternativa aos serviços de enfermagem ao domicílio
    7:34
  • As primeiras palavras de um dos sobreviventes da Chapecoense
    0:29
  • Familiares de vítimas procuram destroços do MH370
    1:48

    Voo MH370

    Um grupo de familiares das vítimas do avião das linhas aéreas da Malásia, desaparecido em 2014, procuram destroços do aparelho em Madagáscar. As autoridades malaias estudam a posssibilidade de uma nova operação de buscas.

  • Primeiro-ministro em lágrimas ao reencontrar refugiado que recebeu no Canadá em 2015

    Mundo

    Justin Trudeau desfez-se em lágrimas no reencontro com um refugiado sírio, que ele recebeu no Canadá em 2015. No ano passado, Trudeau recebeu pessoalmente os refugiados no aeroporto, onde foi visto a entregar casacos de inverno aos migrantes. Esta segunda-feira, o primeiro-ministro conheceu algumas das famílias que se estabeleceram no país, numa reunião filmada pela emissora canadiana CBC.