sicnot

Perfil

Mundo

Amnistia Internacional acusa Sérvia e Macedónia de maltratarem migrantes

A Amnistia Internacional (AI) acusou a Sérvia e a Macedónia de maltratarem os migrantes clandestinos que passam pelos seus territórios a caminho da União Europeia, indica um relatório hoje publicado.

reuters

"Os refugiados e os migrantes que passam pelos Balcãs são expostos a abusos violentos (...) por parte das autoridades e dos criminosos locais, e foram vergonhosamente abandonados pela União Europeia e pela sua política migratória, que os deixa sem proteção na Sérvia e na Macedónia", afirma o relatório. 

Segundo a AI, este relatório é fruto de quatro inquéritos realizados na Sérvia, na Hungria, na Grécia e na Macedónia, entre julho de 2014 e março de 2015, incluindo entrevistas a mais de 100 migrantes.

"Os refugiados fogem da guerra e das perseguições atravessando as Balcãs, na esperança de encontrar segurança na Europa, mas acabam por ser vítimas de abusos e exploração, ficando à mercê de um sistema falhado de pedido de asilo", declarou Gauri van Gulik, diretor adjunto da AI para a Europa e Ásia Central.

"A Sérvia e a Macedónia tornaram-se uma porta de saída para o fluxo de migrantes que ninguém na Europa parece estar disposto a acolher", acrescentou.

Nas fronteiras da Grécia com a Macedónia e da Macedónia com a Sérvia, os refugiados e migrantes são deportados ilegalmente e muitos "são obrigados a pagar subornos", indica o relatório.

Os refugiados que passam pela Hungria são obrigados a pagar, cada um, 100 euros à polícia nas fronteiras sérvias, sob a ameaça de serem enviados de volta, diz o relatório, citando testemunhos. Outros entrevistados relatam terem sido "severamente agredidos" na Sérvia e na Macedónia.

Em junho, a polícia sérvia anunciou a detenção de 29 polícias e nove funcionários alfandegários, acusados de corrupção e abuso de poder, bem como de terem recebido subornos para fechar os olhos à passagem de migrantes ilegais para a Hungria. 

Segundo a AI, as legislações relativas ao pedido de asilo nos países dos Balcãs são inadaptadas à situação no terreno, onde o número de migrantes aumenta diariamente.

De acordo com o ministério do Interior sérvio, mais de 34.000 pessoas pediram asilo no país desde o início do ano.

A Sérvia não é membro da União Europeia mas oferece um acesso terrestre a quatro Estados-membros: Bulgária, Roménia, Hungria e Croácia.

  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23

    País

    A Proteção Civil emitiu um alerta para o tempo frio e seco e pede cuidados redobrados. As temperaturas já começaram a descer, com regiões a registarem valores negativos. No interior, podem chegar aos 5 graus negativos. Até ao Natal o tempo vai manter-se frio, seco e com ausência de chuva.

  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • PS volta a subir nas intenções de voto e não baixa dos 40%
    2:01
  • Marcelo evita "ideia de que o ano foi todo muito bom"
    3:14

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa disse esta sexta-feira que 2017 teve "o melhor e o pior" e que "é preciso evitar a "ideia que o ano foi todo muito bom". O Presidente da República fez estas declarações depois de António Costa ter dito que a nível económico este "foi um ano particularmente saboroso".