sicnot

Perfil

Mundo

Mais de 150 mil civis refugiados nas bases da ONU no Sudão do Sul

O número de civis sul-sudaneses que se refugiaram em bases das Nações Unidas no país ultrapassou os 150.000 pela primeira vez desde o início da guerra civil há 18 meses, indicou hoje a ONU.

© Stringer . / Reuters

No total, 153.769 civis estão abrigados nas seis bases da Missão das Nações Unidas no Sudão do Sul (MINUSS).

Temendo os combates e as matanças, alguns daqueles deslocados estão nas bases da ONU desde o início do conflito no Sudão do Sul em dezembro de 2013.

A esses juntaram-se dezenas de milhares de outros, nomeadamente após um renovamento dos combates em abril. Apenas na última semana chegaram mais de 10.000 pessoas, segundo os dados comunicados pela MINUSS.

Em Juba, a capital onde cerca de 28.000 civis estão amontoados em duas bases das Nações Unidas, trabalhadores humanitários tentam travar uma epidemia de cólera que começou há um mês e já causou 32 mortos.

Mais de 91.000 pessoas estão abrigadas em Bentiu, capital do estado de Unité, no norte do país, onde a ONU acusou recentemente o exército sul-sudanês de ter violado e queimado vivas mulheres e crianças nas suas casas.

A base da ONU de Malakal, capital do estado petrolífero do Alto Nilo, no nordeste, dá abrigo a mais de 30.000 civis. A cidade foi reduzida a ruínas depois de meses de combates, durante os quais mudou várias vezes de mãos.

O exército anunciou ter recuperado Malakal na segunda-feira aos rebeldes, que a ocupavam há cerca de uma semana e que tinham disparado contra os civis refugiados na base da ONU. O ataque foi qualificado de crime de guerra pela MINUSS.

O país, que completa na quinta-feira quatro anos de independência, após a cisão do Sudão, está devastado depois de um ano e meio de conflito.

Os combates começaram quando o presidente Salva Kiir acusou o seu antigo vice-presidente Riek Machar de fomentar um golpe de Estado. Cerca de dois milhões de pessoas abandonaram as suas casas desde então e perto de metade dos 12 milhões de habitantes precisam de ajuda para sobreviver, segundo a ONU.

Lusa

  • Bomba encontrada na Nazaré pode ter sido largada durante 2.ª Guerra Mundial
    2:26

    País

    A bomba que esta segunda-feira veio nas redes de um arrastão na Nazaré já foi detonada. O engenho explosivo foi identificado como uma bomba de avião por especialistas da Marinha, que eliminaram também o perigo equivalente a 600 quilogramas de TNT. A bomba sem qualquer inscrição tinha um desgaste evidente e, segundo a Marinha, pode ter sido largada de um avião durante a 2.ª Guerra Mundial.

  • Derrocada de muro em Lisboa obriga à retirada de 40 pessoas de 5 prédios
    2:14

    País

    Os moradores de três prédios de Lisboa não podem regressar tão cedo a casa. Durante a madrugada, a derrocada de um muro obrigou à retirada de 40 pessoas de cinco edifícios. Um dos inquilinos sofreu ferimentos ligeiros. Entretanto, a maioria dos residentes já foi realojada em casas de familiares e num hotel.

  • "Geringonça" elogiada na Europa e EUA
    4:22

    País

    Num momento em que por cá se fala de claustrofobia democrática, a Europa e os Estados Unidos desdobram-se em elogios ao sucesso da maioria de Esquerda em Portugal. A palavra "geringonça" já tem até tradução em várias línguas.

  • ONU estima que mais 750 mil civis estejam em risco na cidade de Mossul
    1:39

    Mundo

    As Nações Unidas estimam que mais 750 mil civis estejam em risco na zona ocidental de Mossul, no Iraque. Mais de 10 mil pessoas fugiram da zona ocidental da cidade nos últimos quatro dias. Enquanto a população tenta escapar ao fogo cruzado, as forças iraquianas avançam sobre a cidade ainda controlada pelo Daesh.