sicnot

Perfil

Mundo

Polícia russa lança "manual" sobre selfies seguras após série de mortes

A polícia russa lançou esta terça-feira um "manual" sobre como tirar 'selfies' mais seguras, após uma dúzia de mortes e cerca de 100 pessoas feridas este ano devido a poses arriscadas enquanto se auto-fotografavam.

"Uma 'selfie' espetacular pode custar-lhe a vida", alerta um panfleto produzido pelo Ministério do Interior. (Arquivo)

"Uma 'selfie' espetacular pode custar-lhe a vida", alerta um panfleto produzido pelo Ministério do Interior. (Arquivo)

© Sergei Karpukhin / Reuters

"Uma 'selfie' espetacular pode custar-lhe a vida", alerta um panfleto produzido pelo Ministério do Interior. 

O "manual" surge depois de uma série de casos, como o de uma jovem de 21 anos que disparou um tiro na própria cabeça quando tirava uma 'selfie'. O acidente não foi mortal, mas a jovem mulher ficou gravemente ferida.  

Em janeiro, na região dos montes Urais, dois jovens morreram na explosão de uma granada quando se faziam fotografar segurando uma granada de mão à qual retiraram o pino de segurança. O telemóvel com a 'selfie' "sobreviveu" à explosão e revelouo acontecido.

Em maio, um adolescente da região de Ryazan, a sudeste de Moscovo, morreu quando acidentalmente entrou em contato com cabos elétricos ao tentar tirar uma fotografia a escalar uma ponte de caminho de ferro. 

"Infelizmente temos vindo a notar um aumento continuado do número de acidentes causados pelos amantes das 'selfies'", disse Yelena Alexeyeva, assessora do ministro do Interior russo.

 "Antes de tirar uma 'selfie', todas as pessoas deveriam pensar que a corrida para obterem o maior número de 'likes' (nas redes sociais pode) levá-los a uma viagem mortal e tornar póstuma a sua mais recente fotografia espetacular", sublinhou.

O panfleto em forma de manual faz parte de uma campanha, que inclui também um vídeo e conselhos na página da Internet do Ministério do Interior.

Lusa

  • Catalunha vs Espanha
    29:35

    Grande Reportagem SIC

    2017 ficará como o ano da Catalunha e de como a região espanhola foi falada em todo o mundo, por causa do grito de independência que não aconteceu. O jornalista Henrique Cymerman esteve na Catalunha e foi um dos poucos repórteres do mundo que conseguiu chegar ao esconderijo do presidente demissionário do Governo catalão, Carles Puigdemont, em Bruxelas.