sicnot

Perfil

Mundo

Coreia do Sul dá asilo a três norte-coreanos que desertaram

A Coreia do Sul vai dar asilo a três norte-coreanos resgatados quando estavam à deriva e que pediram para ficar no país, informou hoje o Ministério da Unificação.

© Kim Hong-Ji / Reuters

Cinco norte-coreanos - quatro pescadores e um agricultor - passaram, no sábado, a fronteira para o Sul, no Mar do Japão, depois de perderem controlo do seu barco, tendo sido resgatados pelas autoridades de Seul.

Quando questionados sobre a sua intenção, três manifestaram vontade de permanecer na Coreia do Sul e dois pediram para regressar a casa, indicou à Efe uma representante do Ministério da Unificação.

O Governo sul-coreano notificou a Coreia do Norte, através da linha telefónica de Panmunjeom, único canal de comunicação civil entre os países, que ia apenas enviar de volta os que manifestaram essa vontade.

O regime de Kim Jong-un respondeu com um fax, em que exigiu que Seul repatrie os cinco norte-coreanos.

"Não vamos aceitar esse pedido, já que devemos respeitar a vontade destas pessoas", afirmou a representante de Seul.

Esta é a segunda vez em menos de um mês que embarcações norte-coreanas à deriva chegam à Coreia do Sul, ainda que na ocasião anterior, em meados de junho, todos os marinheiros tenham decidido regressar a casa.

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.