sicnot

Perfil

Mundo

Europa recebeu mais de 660 mil pedidos de asilo em 2014

Mais de 660.000 pessoas pediram asilo a países europeus em 2014, o número mais alto registado, e, no final do ano, mais de 500.000 candidatos aguardavam uma decisão sobre o seu pedido, segundo um relatório hoje divulgado. 

Refugiados afegãos atravessam ilegalmente a fronteira entre a Sérvia e a Hungria.

Refugiados afegãos atravessam ilegalmente a fronteira entre a Sérvia e a Hungria.

© Laszlo Balogh / Reuters

A maioria dos pedidos de asilo foi apresentada por cidadãos da Síria (128.000), Balcãs Ocidentais (110.000) e Eritreia (47.140), segundo o relatório anual do Gabinete Europeu de Apoio ao Asilo (EASO) sobre os pedidos de proteção internacional apresentados a Estados membros da União Europeia, à Noruega e à Suíça (UE+). 

Além da Síria, cujo importante número de pedidos representou "um enorme desafio para a UE+", outros países palco de conflitos registaram um aumento significativo em relação a 2013, como o Afeganistão, país de origem de 42.745 candidatos, mais 53% que no ano anterior, e a Ucrânia, com mais de 14.000 pedidos, 13 vezes o número registado em 2013. 

Do Afeganistão, por outro lado, chegou também o maior número de pedidos de asilo de menores não-acompanhados (6.155).

Os principais países de acolhimento foram a Alemanha (202.645), Suécia (81.180), Itália (64.625), França (64.310) e Hungria (42.775).  

Contrariamente a Itália, terceiro país mais requisitado pelos candidatos a asilo, os dois outros países mais atingidos pela crise migratória no Mediterrâneo, Grécia e Malta, estão em 14.º e 21.º lugar da tabela de receção de pedidos, com 9.430 e 1.350 pedidos respetivamente. 

Apesar da tendência geral de aumento, Portugal registou em 2014 uma redução do número de pedidos, 440 contra 510 em 2013. Desses, apenas 40 tiveram resposta favorável naquele período de tempo.

A Lituânia registou o mesmo número de pedidos que Portugal, mas autorizou mais (50). Atrás figuram a Eslovénia (385), a Letónia (375), a Eslováquia (330) e a Estónia (155). 

No final do ano, mais de 500.000 pessoas aguardavam resposta ao pedido apresentado, número que inclui recursos, apesar de um aumento de 10% no número de decisões de primeira instância, que foram 390.000 em 2014.

A maioria das decisões favoráveis foi relativa a pedidos apresentados por sírios, eritreus e apátridas.

No conjunto dos 30 países analisados, apenas cerca de um terço dos pedidos apresentados teve resposta favorável.

O relatório do EASO avalia as principais tendências em matéria de asilo, quer quanto à proveniência dos candidatos quer quanto aos países mais requisitados, a capacidade de acolhimento dos Estados membros e a evolução dos sistemas de asilo nacionais.

No texto de apresentação do relatório, o EASO sublinha que os números já disponíveis para 2015 mostram que o total de pedidos de proteção internacional continua a aumentar.

"Nos primeiros cinco meses deste ano, registou-se um aumento de 68% do número de pedidos de proteção internacional na UE+", lê-se no documento, que regista por outro lado a emergência de novas tendências, com o Kosovo como país de origem da maioria dos pedidos apresentados entre janeiro e maio de 2015.

Lusa

  • O drama dos refugiados sírios e africanos que chegam a Calais, França
    2:47

    Mundo

    O drama dos refugiados sírios e africanos que chegam à fronteira de Calais parece não ter fim à vista. Muitos deles acabam a dormir nas ruas e praças da cidade francesa à espera de um milagre que lhes permita chegar a Inglaterra. A SIC testemunhou o momento em que a polícia de intervenção francesa expulsou um grupo de emigrantes sírios da praça principal.

  • Guterres admite falta de capacidade de resposta para afluxo recorde de migrantes
    1:12

    Mundo

    O ano de 2014 bateu todos os recordes de refugiados no mundo. 60 milhões de pessoas fugiram da guerra e da violência fora de controlo no ano passado e levou as Nações Unidas e em especial o alto comissário para os refugiados, António Guterres, a admitir que já não há capacidade de respostas para este afluxo de migrantes. É o maior aumento de sempre, num só ano, como explicou António Guterres na Turquia.

  • "É mais um notável tiro no pé de Passos Coelho"
    4:04

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite, a polémica em torno de Pedro Passos Coelho, depois do presidente do PSD ter pedido desculpas por ter "usado informação não confirmada", ao falar na existência de suicídios, depois desmentidos, como consequência da falta de apoio psicológico na tragédia de Pedrógão Grande. Sousa Tavares considera que Passos Coelho deu "mais um tiro no pé" e defende que o líder da oposição "está notoriamente desgastado" e "caminha para uma tragédia eleitoral autárquica".

    Miguel Sousa Tavares

  • Este texto é sobre o bom senso. O bom senso que faltou a Passos Coelho quando, esta manhã, depois de uma visita pelas áreas ardidas de Pedrógão Grande, decidiu falar em suicídios. Passos não se referiu a tentativas, mas sim a atos consumados. Deu certezas. Disse que tinha conhecimento de “pessoas que puseram termo à vida” porque “que não receberam o apoio psicológico que deviam.”

    Bernardo Ferrão

  • Simplex+2017 promete simplificar burocracia
    1:08

    País

    Já está online o novo Simplex+2017, que vai simplificar a vida dos cidadãos, empresas e administração pública. Pagar impostos com cartão de crédito e ter o cartão de cidadão ou a carta de condução no telemóvel são alguns exemplos do que está previsto.

  • Homem fala ao telefone com o filho que pensava estar morto

    Mundo

    Um norte-americano que tinha estado presente no funeral do filho recebeu, 11 dias depois, uma chamada telefónica de um homem que o pôs em contacto... com o filho que havia enterrado semana e meia antes. Tudo por causa de um erro do gabinete de medicina legal.