sicnot

Perfil

Mundo

Papa pede à América Latina que evite leis que fomentem "repressão e controlo"

O Papa Francisco lançou, na terça-feira, um apelo ao Equador e aos "muitos povos latino-americanos", para que evitem "a dolorosa memória de qualquer tipo de repressão, controlo desmedido e restrição de liberdades" nas suas normas e leis.

© Guillermo Granja / Reuters

O sumo pontífice falou na igreja de São Francisco de Quito, durante a sua viagem à América Latina, que o levará também à Bolívia e Paraguai.

Francisco destacou como o Equador e muitas outras nações da América Latina estão a enfrentar novos desafios "que requerem a participação de todos os atores sociais". 

"A migração, a concentração urbana, o consumismo, a crise da família, a falta de trabalho, as bolsas de pobreza que geram incerteza", bem como "tensões que constituem uma ameaça à convivência social", foram alguns dos exemplos que apontou.

O Papa alertou que "as normas e leis, assim como os projetos da comunidade civil, devem procurar a inclusão, abrir espaços de diálogo, de encontro, e assim abandonar a dolorosa memória de qualquer tipo de repressão, controlo desmedido e restrição de liberdades".

Para Francisco, a esperança de um futuro melhor para estes países começa pela criação de emprego e de crescimento económico que chegue a todos, "mas que não se fique pelas estatísticas macroeconómicas e que [promova] um desenvolvimento sustentável que gere um tecido social firme e coeso". 

Perante a audiência, o Papa deu o exemplo de alguns países europeus, onde o desemprego juvenil se encontra entre 40 e 50%.

O sumo pontífice citou o fenómeno dos "nem nem", jovens que nem estudam nem trabalham e, perante a falta de trabalho, cedem a vícios, à tristeza, à depressão, ao suicídio ou envolvem-se em projetos de "loucura social".

Lusa

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.

  • Trump acusa o procurador-geral dos EUA de ser fraco
    1:46