sicnot

Perfil

Mundo

Papa pede à América Latina que evite leis que fomentem "repressão e controlo"

O Papa Francisco lançou, na terça-feira, um apelo ao Equador e aos "muitos povos latino-americanos", para que evitem "a dolorosa memória de qualquer tipo de repressão, controlo desmedido e restrição de liberdades" nas suas normas e leis.

© Guillermo Granja / Reuters

O sumo pontífice falou na igreja de São Francisco de Quito, durante a sua viagem à América Latina, que o levará também à Bolívia e Paraguai.

Francisco destacou como o Equador e muitas outras nações da América Latina estão a enfrentar novos desafios "que requerem a participação de todos os atores sociais". 

"A migração, a concentração urbana, o consumismo, a crise da família, a falta de trabalho, as bolsas de pobreza que geram incerteza", bem como "tensões que constituem uma ameaça à convivência social", foram alguns dos exemplos que apontou.

O Papa alertou que "as normas e leis, assim como os projetos da comunidade civil, devem procurar a inclusão, abrir espaços de diálogo, de encontro, e assim abandonar a dolorosa memória de qualquer tipo de repressão, controlo desmedido e restrição de liberdades".

Para Francisco, a esperança de um futuro melhor para estes países começa pela criação de emprego e de crescimento económico que chegue a todos, "mas que não se fique pelas estatísticas macroeconómicas e que [promova] um desenvolvimento sustentável que gere um tecido social firme e coeso". 

Perante a audiência, o Papa deu o exemplo de alguns países europeus, onde o desemprego juvenil se encontra entre 40 e 50%.

O sumo pontífice citou o fenómeno dos "nem nem", jovens que nem estudam nem trabalham e, perante a falta de trabalho, cedem a vícios, à tristeza, à depressão, ao suicídio ou envolvem-se em projetos de "loucura social".

Lusa

  • Marcar cedo e resistir (ou como Portugal venceu Marrocos)

    Mundial 2018 / Portugal

    A seleção nacional alcançou hoje a primeira vitória no Mundial 2018, frente a Marrocos, em Moscovo. Cristiano Ronaldo (outra vez) marcou logo aos quatro minutos. Depois, Portugal pouco mais fez senão aguentar as investidas dos marroquinos, que ficam desde já afastados dos oitavos de final.

  • Fernando Santos dá um puxão de orelhas à equipa
    1:57
  • E vão quatro de Ronaldo
    1:58
  • Ronaldo, o motivador
    3:23
  • Os "memes" do desempenho de Cristiano Ronaldo frente a Marrocos
    1:25
  • Cristiano Ronaldo: o melhor do jogo, o melhor do Mundial, o melhor do mundo

    Mundial 2018 / Portugal

    Apesar da prestação de Rui Patrício na defesa da baliza lusa, Cristiano Ronaldo foi eleito o homem do jogo, pela segunda vez consecutiva, depois de marcar o golo que deu a vitória a Portugal frente a Marrocos. O capitão português ofereceu à equipa os três pontos essenciais para a eventual passagem aos oitavos de final. Mas Ronaldo não fica por aqui. Contas feitas, CR7 é o melhor marcador do Mundial (4 golos em 2 jogos) e já marcou 85 golos por Portugal, feito nunca antes alcançado nem por Eusébio nem por Pauleta. No auge dos 33 anos, há quem diga que Ronaldo "é como o vinho do Porto". Será que ainda vai chegar à marca dos 100? Parece que, para o CR7, nada é impossível.

  • Parecia que Rui Patrício tinha cola nas luvas
    5:40
  • Os momentos descontraídos dos jogadores que estão no Mundial
    1:54
  • Selecionador de Marrocos queixa-se da arbitragem
    1:41
  • Georgina Rodriguez assistiu ao jogo de Portugal e acenou a Ronaldo
    1:05
  • Ronaldo no País dos Sovietes: O humor russo
    1:32
  • Schulz responde a Trump: "é um especialista em estatísticas criminais"

    Mundo

    "Donald Trump é um especialista em estatísticas criminais: pagamentos a estrelas porno, contactos ilegais com russos e diretores de campanha presos". Foi assim que o deputado alemão Martin Schulz respondeu ao Presidente norte-americano, depois de este ter afirmado várias vezes que a criminalidade na Alemanha aumentou devido à imigração.

    SIC

  • "Vou pedir a alguém que dê esta notícia por mim". Jornalista emociona-se com o caso dos bebés mexicanos separados das famílias
    0:49