sicnot

Perfil

Mundo

Tunísia constrói muro na fronteira com Líbia para deter jihadistas

A Tunísia começou a construir um muro na fronteira com a Líbia para tentar controlar o contrabando e a infiltração de 'jihadistas' em ambos os sentidos, anunciou o primeiro-ministro tunisino, Habib Essid. 

A decisão de construir o muro foi tomada pouco depois de Tunes ter sofrido, em apenas três meses, dois atentados 'jihadistas' que vitimaram 60 turistas estrangeiros e infligiram um golpe à sua transição política e económica.

A decisão de construir o muro foi tomada pouco depois de Tunes ter sofrido, em apenas três meses, dois atentados 'jihadistas' que vitimaram 60 turistas estrangeiros e infligiram um golpe à sua transição política e económica.

Matt Dunham / AP

Numa entrevista hoje transmitida pela televisão, o chefe do executivo tunisino disse que o muro terá cerca de 170 quilómetros de comprimento e que se espera que esteja concluído em finais deste ano.

Em muitos pontos, o muro, que está a ser erigido pelo exército, "será ladeado por trincheiras" e incluirá "câmaras de vigilância", acrescentou.

A imprensa local noticiou hoje que o muro parte do posto fronteiriço de Ras Jedir, junto à costa, e terminará no de Dehiba, o que representa cerca de um terço dos 460 quilómetros de fronteira, na sua maioria desértica, que separa os dois Estados.

A decisão de construir o muro foi tomada pouco depois de Tunes ter sofrido, em apenas três meses, dois atentados 'jihadistas' que vitimaram 60 turistas estrangeiros e infligiram um golpe à sua transição política e económica.

Segundo as forças de segurança, tanto o atirador que a 26 de junho matou 38 turistas europeus numa praia da cidade costeira de Sousse, como os dois que a 18 de março assassinaram 22 turistas no museu do Bardo, na capital tunisina, receberam treino militar em campos 'jihadistas' na Líbia.

Os três terão podido entrar e sair de forma furtiva do país graças às máfias de tráfico de pessoas e mercadorias que operam no sul de Tunes, uma prática que as autoridades começam a admitir que é mais comum do que se pensava.

Na terça-feira, o porta-voz do Ministério da Defesa tunisino, Belhasan Oueslati, revelou que três jovens militares da localidade meridional de Remada abandonaram as suas casas e partiram para a Líbia, presumivelmente para se juntarem às fileiras da 'jihad'.

Os supostos desertores elevam para 35 o número de jovens que, nos últimos dias, saiu do país em direção à Líbia a partir desta localidade, a mais meridional do país, situada a escassos quilómetros da fronteira com a Líbia.

A Tunísia é, juntamente com a França, o país que mais voluntários fornece ao grupo extremista Estado Islâmico (EI), com cerca de 3.000 'jihadistas', segundo cálculos oficiais, e mais de 5.000, segundo diversos especialistas em Islão radical sediados no país.

Desses, crê-se que cerca de 1.000 tenham já saído das áreas sob controlo do EI e tenham procurado refúgio tanto na Líbia, onde está instalado o ilegalizado grupo tunisino Ansar al-Sharia, como na região de Kasserine, na porosa fronteira com a Argélia.

Lusa

  • Jovem que morreu numa estância de esqui em Espanha sofreu um aneurisma
    1:26
  • Cunhado do Rei de Espanha em liberdade sem caução

    Mundo

    Inaki Urdangarin vai mesmo aguardar o desenrolar do recurso em liberdade na Suíça, onde o marido da Infanta Cristina tem residência oficial e onde terá de se apresentar às autoridades uma vez por mês, para além de estar obrigado a comunicar qualquer deslocação fora da Europa. De fora fica ainda o pagamento da caução de 200 mil euros pedida pelo Ministério Público espanhol.

  • Três letras de Zeca Afonso

    Cultura

    No dia em que se assinalam 30 anos da morte de Zeca Afonso, Raquel Marinho, jornalista da SIC e divulgadora de poesia portuguesa contemporânea, escolhe três letras do cantor e autor para dizer, em forma de homenagem.

    Raquel Marinho

  • Compensa comprar a granel?
    8:39
  • "Isto é uma mentira e tem carimbo de Estado"
    2:12

    Opinião

    O preço das botijas de gás em Portugal duplicou nos últimos 15 anos. José Gomes Ferreira esteve no Jornal da Noite, da SIC, onde explicou este aumento, lembrando que a classe política prometeu que se houvesse mais empresas a operar no mercado, os preços desciam. Contudo, José Gomes Ferreira diz que "isto é uma mentira e tem carimbo de Estado". O Diretor-Adjunto de Informação SIC explicou que como o mercado é livre, os operadores vendem aos preços mais altos que podem, deste modo os preços não variam muito entre uns e outros.

    José Gomes Ferreira