sicnot

Perfil

Mundo

EUA preparados para "pôr fim" às negociações nucleares com o Irão

 O secretário de Estado norte-americano, John Kerry, disse hoje estar preparado para "pôr fim" às negociações nucleares com o Irão se as "decisões difíceis" não forem tomadas.

Ronald Zak

"Se as decisões difíceis não forem tomadas, estamos absolutamente preparados para pôr um fim a este processo", disse Kerry aos jornalistas em Viena, assegurando que as negociações "estão em aberto" e que não vai forçar um "acordo".

"Estamos a fazer progressos no sentido de um acordo abrangente" para limitar o programa nuclear iraniano, disse governante norte-americano.

Dois prazos para chegar a um acordo foram já ultrapassados e as negociações estendem-se pelo 13.º dia.

Os Estados Unidos estabeleceram um prazo até à meia-noite de hoje, em Washington, para terem uma cópia de um qualquer texto final, para revisão.

"Nós não nos vamos sentar à mesa das negociações para sempre. Reconhecemos também que não nos devemos levantar e sair simplesmente porque o relógio bate à meia-noite", advertiu Kerry.

Lusa

  • Advogados de Sócrates queixam-se de bullying processual e mediático
    2:13

    Operação Marquês

    Os advogados de José Sócrates queixam-se de bullying processual e mediático e garantem que o antigo primeiro-ministro nunca favoreceu Ricardo Salgado ou o Grupo Espirito Santo. Segundo o Expresso, o presidente da Escom, Helder Bataglia, terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, alegadamente para o amigo José Sócrates.

  • Marcelo diz que é hora de valorizar o poder local
    0:40

    País

    O Presidente da República diz que este é o momento para valorizar o poder local. Sobre a descida da Taxa Social Única, Marcelo Rebelo de Sousa recusou comentar e negou que haja crispação politica entre Governo e oposição.

  • Marine Le Pen diz que Brexit terá efeito dominó na UE
    0:39

    Brexit

    Marine Le Pen diz que o Brexit vai ter um efeito dominó na União Europeia. Durante um congresso da extrema-direita, a líder da Frente Nacional francesa afirmou que a Europa vai despertar este ano em que estão marcadas eleições em vários países, como a Alemanha e a Holanda.